A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

MONARQUIA, ACÇÃO!

1383881_301875336617580_734074064_n

Autor: Miguel Villas Boas

«(…) É alguém capaz de indicar um benefício, por leve que seja, que nos tenha advindo da proclamação da República? Não melhorámos em administração financeira, não melhorámos em administração geral, não temos mais paz, não temos sequer mais liberdade. Na monarquia era possível insultar por escrito impresso o Rei; na república não era possível, porque era perigoso, insultar até verbalmente o Sr. Afonso Costa. (…) A situação de Portugal, proclamada a República, é a de uma multidão amorfa de pobres-diabos, governada por uma minoria violenta de malandros e de comilões. O constitucionalismo republicano, para o descrever com brandura, foi uma orgia lenta de bandidos estúpidos (…)», retratou Fernando Pessoa a I.ª República.
 
Reparou ainda, Antero de Quental, que “De uma tal República só há-se sair a anarquia e a fome”.
 
Neste pequeno verde e rubro jardim à beira-mar implantado existe um enorme manicómio republicano repleto de Napoleões e Cleópatras que perambulam, peripatéticos, dando-se ares de importância que manifestamente não possuem. Enfatuam uma pose institucional e calcorreiam periclitantes, um mais ombreado que outro por energúmenos de pistolita, verdugos do cidadão comum, mas complacentes com os grandes corsários seus amigos.
 
Como puderam os republicanos, em tão pouco tempo – vai fazer apenas 103 anos –, repudiar a história de uma Nação quase milenar – o Reino de Portugal e dos Algarves existiu de 1139 a 1910, tendo 771 anos de duração -?!
 
Portugal só foi grande em Monarquia e na república ficou reduzido, por defeito de regime, a um simples protectorado. O decorrer dos anos só tem acentuado as contradições do regime.
 
Os partidos republicanos com o seu clubismo e caciquismo mergulharam as instituições do Estado numa agonia profunda; assinaram os contratos da nossa desgraça; e a todo custo, enclausurados numa redoma de privilégios, tentam manter o status quo e mascarar a má qualidade do produto que “vendem” em tempos de eleições. Manifestamente responsáveis pela situação do País, nunca estiveram à altura das enormes responsabilidades que assumiram sem qualquer preparação.
 
Não é preciso fazer um grande exercício de imaginação para interpretar os factos e corroborar as próprias conclusões, basta fazer uma leitura racional da história.
 
Presciente, pareceu prenunciar, o príncipe das Letras, Eça de Queiroz que escreveu: “Estamos perdidos há muito tempo… O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada. Os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido.
 
Não há instituição que não seja escarnecida.”
 
De facto em política deixou de haver – se alguma vez o houve em tempos republicanos – sentido de missão. Há uma desqualificação da classe política. O regime coloca os seus próprios algozes e seus apaniguados; não ocupam os lugares de responsabilidade por mérito, antes sim, se instalam. O “tu dás, eu recebo!”, não pode continuar. Tiram tudo para eles enquanto subministram o cidadão comum.
 
Não há mais hipótese de actuar dentro do corrente sistema! Não é possível navegar nas mesmas águas! Não faltam culpados, mas sobram inocentes: o Povo.
 
Não tem graça, pois é trágico-cómico, mas esses políticos continuam a ver Hipogrifos, Fadas e Unicórnios onde todos os outros vêem, inquietados, o tormento da Nação, pois são os factos que contradizem os primeiros; mas quanto mais negam, mais sabemos que é verdade. Os políticos do regímen já há muito perderam o comboio da realidade. Por isso, actual é, também, a análise, mais uma vez, expressa por Eça de Queiroz, in Novos Factores da Política Portuguesa, Revista de Portugal, Abril 1890: “E sem desejar ser descortês para com personalidades somos forçados a constatar que os actuais chefes republicanos, como tais, como chefes, fazem sorrir toda a parte séria da nação.”
 
De facto, continuam a julgar-se pessoas de excepção, como se fosse nossa obrigação leva-los em ombros – essa honra apenas concedida aos escassos heróis, reis-conquistadores e Césares que a história da humanidade produziu. Mantê-los, pois, faz tanto sentido como um ciclista de cartola!
 
Para haver verdadeira Democracia tem que haver consentimento esclarecido e representatividade.
 
Onde está a Democracia, se nos negam o direito à escolha: nunca foi dado aos Portugueses a liberdade de escolher sobre que sistema de governo pretendem – república ou Monarquia -, pois o regime foi imposto revolucionariamente, e, a Constituição da república portuguesa, ao consagrar na alínea b) do Artigo 288.º que “as leis de revisão constitucional terão de respeitar a forma republicana de governo”, impede com esta Cláusula Pétrea um referendo nacional sobre esta matéria. Contudo, apesar do limite material, nada impede que formalmente haja uma revisão constitucional, tudo depende do bel-prazer de 2/3 dos deputados eleitos e em efectividade de funções.
 
Está na hora dos Monárquicos serem chamados a jogo!
 
Não escrevemos para desfazer, porque desfeito já o regime está. É preciso polarizar as críticas.
 
E porquê?
 
Não procuramos nos Astros a resposta aos problemas do País. Não pudemos ver ângulos em círculos viciosos. Deixamos isso para os políticos republicanos! Basta de um regime de Imperium paternale, que vê os cidadãos como crianças menores que não podem discernir o que lhes é realmente vantajoso ou nocivo, submetendo-os a comportar-se de modo paciente, aguardando da classe dirigente um alvitre sobre a melhor maneira de que devem ser felizes, e no grau que essa classe o queira.
 
Isto posto, cumpre esclarecer a nossa posição: não preconizamos o regresso de punhos de renda, de librés e de cabeleiras ou perucas similares, nem a instituição obrigatória dos bigodes com as guias retorcidas, nem o regime da Monarquia Portuguesa anterior a D. João I.
 
Todavia, não somos “Ronins” (Samurais sem Mestre), temos um Rei a Ser.
 
Que regresse a Monarquia com a estrutura e natureza das europeias: todos iguais e à cabeça um Rei com o Poder Moderador para orientar o País.

O que pretendemos? A MONARQUIA! Então: ACÇÃO!

Sem comentários:

Enviar um comentário