A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

NOEMAS DE FILOSOFIA PORTUGUESA


«Mas a todos os que sabem que o noema é possível, a Filosofia Portuguesa saúda fraternalmente e reafirma: todo o noema é vidência ou audiência, em suma, acto da consciência dado pela Graça Divina. Não se alcança pela Vontade, mas recebe-se pelo Amor.»
João Seabra Botelho no prefácio ao livro Noemas de Filosofia Portuguesa


A operatividade da Filosofia Portuguesa é tantas vezes contestada, como a sua própria existência. No entanto, engana-se quem desdenhosamente questiona a nossa tradição filosófica, remetendo-a, como que complexadamente, para uma falsa condição de “parente pobre da Filosofia”. Denunciando esta situação, Miguel Bruno Duarte demonstra de que forma nomes como Leonardo Coimbra, Álvaro Ribeiro, ou Orlando Vitorino, representaram uma linhagem filosófica nacional, absolutamente coadunável com as necessidades políticas e identitárias do Portugal contemporâneo.
 
Recentemente publicado no Brasil, através da editora É Realizações, Noemas de Filosofia Portuguesa é o primeiro livro de Miguel Bruno Duarte, um dos mais acérrimos defensores da Filosofia Portuguesa da actualidade. Nesta obra, assistimos a uma pertinente revisitação do velho problema da Universidade em Portugal. Uma instituição que, segundo o autor, se transformou durante o período pombalino no «maior inimigo da Cultura Lusíada», tornando-se num foco de infiltração de correntes estrangeiradas contrárias à nossa tradição, tais como o iluminismo, o positivismo e o socialismo.
 
Advogando a tese de Álvaro Ribeiro, segundo a qual Deus, Filosofia Portuguesa, escola portuguesa e política portuguesa constituem realidades que se devem interligar entre si, Miguel Bruno Duarte confia a sua esperança no futuro nacional a Aristóteles e à tradição portuguesa. Desse modo, abraça a Filosofia Portuguesa como uma porta para a vida e para o espírito, invocando o aristotelismo de inspiração arábica de Pedro Hispano, o pensamento neoescolástico conimbricense, ou os princípios filosóficos patentes em obras como a Arte de Filosofar de Álvaro Ribeiro. Dividida em duas partes distintas – Queda Vertical e Esperança – a obra de Miguel Bruno Duarte comprova a operatividade da Filosofia Portuguesa, questionando a «cultura inculta dos poderes institucionalizados», denunciando a planificação do ensino em Portugal, nomeadamente, da Filosofia. Esse ramo do saber sem o qual «a razão humana decai, numa primeira instância, no vício positivista para, finalmente, sucumbir perante as destruições morais, políticas e económicas do socialismo».
 
O autor, assumindo-se como um discípulo do nosso saudoso filósofo Orlando Vitorino, mantém-se fiel a uma linha combativa, dura e militante, incapaz de permitir qualquer concessão ao inimigo por detrás da sua linha de fogo. Ao longo da leitura desta obra, é notório o valor da coragem e da intransigência no espírito guerreiro do seu autor, revelados pela forma como este não se compadece face aos adversários e detractores da Cultura Lusíada. Detentor de uma prosa à qual os alinhados pelo sistema apelidam de "politicamente incorrecta", ele não cede jamais à ideologia dominante, nem a qualquer tipo de preconceitos e estereótipos históricos, filosóficos, ou políticos, advindos daquilo a que Orlando Vitorino chamou um dia de «cultura triunfante».
 
Actual e incisivo nas críticas e soluções que aponta, este livro desvenda caminhos, propondo algumas orientações práticas para o reerguer de Portugal, tendo por base o reencontro com a nossa tradição. Assim, a sua leitura estabelece-se como essencial num contexto de luta contra o pensamento materialista e o marxismo cultural.
 
Publicada com a ortografia brasileira, esta obra não tem ainda distribuição no nosso país, pelo que se impõe, urgentemente, uma edição portuguesa.

Sem comentários:

Enviar um comentário