A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sábado, 23 de novembro de 2013

COMEMORAÇÕES DO 1º DE DEZEMBRO




Estimados amigos,

Aproxima-se o 1º de Dezembro, e como tal, venho dar-vos conta sumariamente das actividades que, o Movimento 1º de Dezembro, vai promover e por que somos responsáveis, no quadro das Comemorações Oficiais do 1º de Dezembro, que se realizam, como habitualmente, sob os auspícios da SHIP - Sociedade Histórica da Independência de Portugal.

Infelizmente, este ano já não podemos comemorar a data enquanto feriado mas podemos e devemos comemorar a data com todo o seu significado.

Eliminar este feriado nacional foi um mau passo, uma decisão irreflectida e um gesto insensato. Acredito que ainda podemos voltar atrás. O tempo vai dar-nos razão.

Não há nenhuma justificação para extinguir do calendário oficial “o feriado dos feriados, o mais antigo dos feriados civis, o mais alto dos nossos feriados patrióticos: o feriado nacional do 1º de Dezembro, o dia maior de Portugal, em que comemoramos a nossa própria existência e continuidade como Nação livre.”

Não conheço no mundo um só país, excepto estando sob ocupação estrangeira, que, tendo um feriado que celebra a sua independência nacional, o tenha abolido e riscado do mapa.

Portugal foi o primeiro a fazê-lo. Por isso faz todo o sentido continuar a lutar para restaurar o feriado nacional de 1 de Dezembro! É fundamental não interromper a sua comemoração, “rasgando uma tradição mais que centenária, que guarda raízes populares fortíssimas”.

“É verdade que somos mais antigos que 1640: vamos a caminho já de 900 anos. Mas, se guardamos os títulos do mais antigo dos Reinos ibéricos, do mais velho dos Estados da península e, nas fronteiras actuais, de mais antiga Nação da Europa, devemos esses títulos à liberdade reconquistada pela Restauração – senão teríamos acabado ali” (Discurso do deputado J. Ribeiro e Castro nas Cerimónias, no 1.º Dezembro, Restauradores). Precisamente por isso é que este feriado é condição sine qua non para comemorar os outros feriados civis. “Se não tivesse havido 1º de Dezembro, não havia 5 de Outubro, nem 25 de Abril, nem 1º de Maio. (...) como referiu, José Alarcão Troni, presidente da Sociedade Histórica da Independência de Portugal – pois se não fossemos portugueses não comemoraríamos os outros feriados, não faria sentido (comemoraríamos outros, claro).

Mas vamos ao mais importante neste momento. O programa das comemorações.

Em anexo, envio apenas alguns destaques.

Da parte do Movimento 1º de Dezembro, organizamos e promovemos os seguintes três eventos, para que, desde já, vos convidamos como portugueses:

- "Concerto de Portugal, da Restauração e da Independência Nacional" (estreia) - 30 de Novembro (sábado), às 18h45, no Salão Nobre da Associação Comercial de Lisboa, Rua das Portas de Santo Antão (defronte do Coliseu) | duração: cerca de 1 hora.

- "Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas" (2ª edição) - 1 de Dezembro (domingo), às 14h30, na Avenida da Liberdade/Praça dos Restauradores | duração: cerca de 2 horas. Já está assegurada a presença de bandas e grupos de todos os distritos do Continente, bem como de bombos, tambores e cantares alentejanos.

A Phylarmónica Ançanense, da vila histórica de Ançã, concelho de Cantanhede, em representação do distrito de Coimbra, participará no Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas comemorativo do 1º de Dezembro, no domingo, 1 de Dezembro de 2013, em Lisboa, na Avenida da Liberdade/Praça dos Restauradores. O convite, por parte da organização, para a representação distrital prende-se com o facto de ser tradição desta Banda sair à rua no 1.º de Dezembro, desde tempos imemoriais e tocar o hino da restauração – e por isso já fazer parte da história e identidade dessa filarmónica a participação na comemoração deste feriado e do seu simbolismo.

- "LiberTUNAS 2013" (estreia) - 1 de Dezembro (domingo), às 18h30, no Largo de S. Domingos (defronte do Palácio da Independência) | duração: 1 hora. Este festival de Tunas é organizado sob coordenação da Magna Tuna Apocaliscspiana. Além do evento central, em Lisboa, estamos a procurar replicá-lo em diferentes Academias, pelo país fora.

As celebrações no dia 1º de Dezembro, iniciam-se pelas 9h30 da manhã com o hastear das bandeiras no Palácio da Independência, seguindo-se Missa cantada na Igreja de S. Domingos (10h00) e a Homenagem aos Heróis da Restauração, junto ao obelisco da Praça dos Restauradores (11h30).

Esta é uma data histórica para lembrar e homenagear os heróis e o acontecimento de relevo, de especial importância e simbologia na História do nosso país e dos portugueses.

É um “marco simbólico da memória e da cidadania”, importante para a nossa consciência cívica e coesão social, até mesmo pelos direitos, deveres e memórias que encerra.

Vamos assinalar este momento fundamental da nossa identidade, celebrar a nossa memória colectiva, a nossa afirmação como País e a nossa História, justamente, porque essa é uma forma de renovar a esperança e a confiança, de nos impulsionar para superarmos as dificuldades do presente e construirmos o futuro.

No caso do nosso concelho, não é possível pensar nesta participação sem recordar a importância político-social da relevante figura histórica do cantanhedense D. António Luís de Menezes, 3.º Conde de Cantanhede e 1.º Marquês de Marialva, considerado como um dos mais importantes vultos da Restauração de 1640 (notabilizou-se no comando das tropas portuguesas nas batalhas das Linhas de Elvas e Montes Claros, que impediram a entrada dos exércitos castelhanos em território nacional).

Este é mais um motivo que justifica plenamente, a nossa participação nestas celebrações e o nosso empenho na restauração do feriado nacional de 1 de Dezembro.

No dia 1º de Dezembro, lá estaremos. Lá nos encontraremos… e, quiçá, noutros momentos importantes do programa.

Bem hajam!

Viva a Liberdade!
Viva a Independência!
Viva a Restauração!
Viva Portugal!

Aquele abraço amigo e patriótico,

Pedro Cardoso
Movimento 1º de Dezembro: www.facebook.com/1dezembro | www.1dezembro.pt

AMPLIAR

AMPLIAR

AMPLIAR
 

Sem comentários:

Enviar um comentário