COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

LEI DO PROTOCOLO DO ESTADO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

REGICÍDIO


1 de Fevereiro de 1908, Lisboa, 17 h., entre

 o Terreiro do Paço e a Rua do Arsenal,

com a Morte à espreita.....
Era  Fevereiro  O  Primeiro
A Besta vomitava fogo e ácido
No chão armava o Besteiro
No ar desflorava forte e rápido
A Virgem incauta e serena
Que de si já afasta a Verbena...
Pura e sacra essa Verbena...
Perdida num trovão de espanto e medo
No Terreiro jaz um anjo e uma avena
Entre a mole humana o sangue e o segredo
Adivinham já a língua de estanho
Da escuridão que cai sobre o rebanho!.....




REGICÍDIO


Foi num dia como o de hoje, mas de 1908, que o Rei D. Carlos e o Príncipe D. Luís Filipe foram assassinados em pleno Terreiro do Paço, na presença da Rainha D. Amélia e do filho mais novo do casal, D. Manuel II, até à data o último Rei de Portugal.


A tragédia, que também vitimou um transeunte e dois regicidas, é um episódio inédito na história de Portugal. Alguns historiadores entendem que este crime precipitou o fim da monarquia e a implantação de um novo regime, dois anos e meio depois.


A primeira República foi também um tempo de grandes perturbações sociais: Sidónio Pais, o Presidente-Rei, foi morto em 1918, um ano depois da sua eleição presidencial. A instabilidade política e social só foi definitivamente ultrapassada com a instauração do Estado Novo, embora com a drástica supressão de alguns direitos políticos dos cidadãos.


É verdade que o 25 de Abril pôs termo, pacificamente, a esse regime autoritário, embora as vítimas do processo de descolonização não possam ser excluídas dessa contabilidade. Posteriormente, a aprendizagem da democracia, depois de ultrapassado o perigo de uma ditadura marxista, também não foi isenta de violentas tensões.


São conhecidos os nossos brandos costumes cristãos, mas na natureza de todos os povos há sementes de violência que, em qualquer momento, podem desabrochar. A recordação do holocausto é pedagógica para todos os homens de todos os tempos, sobretudo porque o horror dessa tirania ocorreu, por via democrática, no país mais desenvolvido da Europa.


A lembrança do regicídio e a memória dos mártires da pátria é necessária para a cultura da liberdade. Que o sangue inocente dos que tombaram por Portugal seja, para as gerações vindouras, uma séria advertência sobre os perigos do fundamentalismo e da intolerância e um chamamento para a construção da democracia e da paz.



Gonçalo Portocarrero de Almada
jornal i, 1 Fevereiro 2014

http://www.ionline.pt/iopiniao/regicidio-0

Ilustração de Carlos Ribeiro
Gonçalo Portocarrero de Almada

REGICÍDIO - 106 ANOS




Arautos D'El-Rei de Fevereiro de 2008

Sem comentários:

Enviar um comentário