28.º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DO PORTO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sexta-feira, 14 de março de 2014

"DIÁLOGOS": O PRESENTE E O FUTURO DO PAÍS NA PRIMEIRA CONFERÊNCIA NA U.PORTO

Pedro Arroja e Manuel Monteiro abordaram o estado de Portugal no primeiro debate da 5.ª edição de "Diálogos". O economista e o jurista falaram de economia, política, religião e educação, numa discussão aberta sobre o país.

A primeira conversa do projeto "Diálogos", na Reitoria da Universidade do Porto (UP), ficou marcada pelas opiniões vincadas de Pedro Arroja, economista e professor no Instituto Superior de Estudos Financeiros e Fiscais, e Manuel Monteiro, jurista e professor na Universidade Lusíada do Porto. O debate, com o tema "Portugal: presente e futuro", foi moderado por Vicente Ferreira da Silva e contou com uma audiência atenta e participativa.

A intervenção inicial de Pedro Arroja desenvolveu-se em torno do livro "F. - Portugal é uma figura de mulher", publicado em 2013 e dedicado à neta do economista. O livro reflete os ensinamentos que o professor pretende transmitir às gerações mais novas e denuncia as instituições que, segundo o autor, "contribuíram para a ruína do país". A democracia partidária, o republicanismo, o constitucionalismo e o Estado-providência são algumas das apontadas.

De opiniões pouco consensuais, o economista não hesita em defender a religião católica e a restauração da monarquia. "A nossa verdadeira tradição é monárquica e foi sob a monarquia que vivemos os nossos melhores momentos", afirmou. Arroja referiu ainda que Portugal é um país de "grandes importadores e péssimos exportadores", apontando o dedo ao liberalismo económico. "Em regime de comércio livre e mercado único, temos défices permanentes".

Com uma visão ideológica diferente, Manuel Monteiro começou por criticar os "reis esbanjadores" da época monárquica defendida por Arroja, assumindo-se republicano. "Gosto da ideia de República, em que cada cidadão pode ser um Estado", justificou o jurista.

O professor da Universidade Lusíada considera a "falência das elites" a causa dos problemas do país. "Substituímos as elites por dirigentes e substituímos a escola por instituições para, estatisticamente, dar graus académicos e suprir falhas que o país tinha face a concorrência".

Monteiro vincou que o futuro do país "passa por criar elites livres e reforçar os poderes presidenciais". O jurista reforçou que cada cidadão deve assumir as suas responsabilidades e relembrou a importância de ter a Universidade, a Justiça e a Imprensa, enquanto três instituições livres e fortes de um país. "Nós não temos imprensa livre", afirmou.
O ciclo de conferências "Diálogos" conta com mais três sessões. No dia 13 de Março, às 21h30, Rui Neves, Luís Portela e António Tavares vão estar na Reitoria da Universidade do Porto para debater o tema "Ética: Valor Indispensável?".

Um Livro para o Joãozinho
Pedro Arroja é director da Associação Humanitária "Um Lugar para o Joãozinho". Criada a 13 de Janeiro de 2014, a associação tem como principal objectivo angariar meios financeiros para construir as novas instalações da ala de pediatria do Hospital de S. João. A concretização do projecto implica 16 milhões de euros. As receitas do novo livro do economista, "F. - Portugal é uma figura de mulher", revertem a favor da instituição.

Sem comentários:

Enviar um comentário