28.º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DO PORTO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

domingo, 6 de julho de 2014

OPINIÃO: ONTEM E HOJE, POR MIGUEL PIGNATELLI QUEIROZ

1. CONVERGÊNCIA MONÁRQUICA – PPM (ANIVERSÁRIO) – Não posso deixar de assinalar que a 26/05/1974, em reunião em Lisboa promovida pela Convergência Monárquica, foi votada por unanimidade a criação do Partido Popular Monárquico – PPM com a sigla inspirada no psi do alfabeto grego.
Como pontos fundamentais do programa, a luta pela Restauração da Monarquia assente na vontade popular livremente expressa (nunca, até hoje, consultada!)- um pouco “ filosoficamente”, diria que segundo a definição antiga “Uma República com o Rei” – o regresso aos valores básicos e tradicionais da Sociedade e ressaltando-se a necessidade de todas as regras se orientarem pela CULTURA, no sentido lato e tendo como paradigmas a ECOLOGIA e, no campo económico, a instituição de regras que tivessem em conta o Ordenamento(s) do Território, a Defesa do Ambiente, como práticas fundamentais para a Salvaguarda do Globo, para o Desenvolvimento Sustentado, bases sem as quais não se conseguirá atingir a JUSTIÇA SOCIAL. Como nota esclareço que a Convergência resultara, em princípios de 1971, da fusão do Movimento Monárquico Popular, Liga Popular Monárquica, Renovação Portuguesa, a “Juventude Monárquica Portuguesa” e Pessoas Independentes Monárquicas, sob o lema LIBERDADE, JUSTIÇA E PROGRESSO.
No final da reunião em Lisboa elegeu-se a Comissão Organizadora que, 1 ano depois, em reunião na praia de Miramar, aprovou os Estatutos, que seriam legalmente ratificados, dando origem a um novo e diferente Partido. Neste, entre muitas figuras de referência, Rodrigo de Moctezuma e Gonçalo Ribeiro Telles, primeiros Presidentes, Henrique Barrilaro Ruas, Portugal da Silveira, Fernando Quintais, Neves da Costa, Marco Monteiro de Oliveira, Quintão Caldeira, muitos que nos deixaram a Saudade e muitos poucos que hoje continuamos a senda à 40 anos iniciada.
2.MITOS DA HISTÓRIA- Como sempre estão na moda na Estória, dando como exemplo, entre outros, a recente descoberta, a propósito do 25 de Abril, de uma “contra-revolução” que teve lugar em Coimbra e de que ninguém, dos então presentes, se apercebeu.
3.CELIBATO DOS PADRES CATÓLICOS- A propósito das Europeias, um grupo de Mulheres vem reclamar ao Papa para este abolir esse celibato, porque querem viver com eles! Qual o problema em viver? É apenas uma regra que se aceita livremente caso se opte pelo Sacerdócio e não um dogma como anotou há dias o Papa Francisco. Portanto, se esse grupo deseja casar com Padres estes, se o desejarem, só têm de pedir dispensa do voto de celibato e, depois, casam. Mas não acham que ser padre ou freira não se compatibiliza com uma vida inteira de dedicação ao Sacerdócio e à Família?
4.MERECIDAS HOMENAGENS- A um Homem inteligente, coerente, tolerante para com ideais diferentes, de mérito, Politico a sério e sério, o Doutoramento “Honoris Causa” pela Universidade de Coimbra do Dr. António Arnaut, um Amigo com quem, conversando, não se combatem ideias ou ideais, mas sim se discutem frontal e pacificamente diferentes pontos de vista. Outra homenagem, a um vulto insigne de Timor e de Portugal, culto, inteligente, sempre Homem de Fé, humilde no trato, o Bispo Emérito de Timor Leste, D. Carlos Ximenes Belo, que há dias esteve entre nós para o lançamento de um seu livro que nos dá um melhor e profundo conhecimento de um País, com uma História de centenas de anos, de Pessoas “sem saberem ler nem escrever” e cujos Chefes Locais, de diversas designações, transmitem os conhecimentos sobre a sua Terra, enumerando, “de memória” (!), todos os nomes desses inumeráveis Chefes! Timor, um dos casos à parte na História de Portugal. Lembra-nos este caso a aberrante cedência do Estado Português da Índia!.
Tal como Cabinda, autónoma e também ligada directamente ao Rei de Portugal, a “exemplar colonização” entregou a um País descolonizado mas que continuou debaixo de acesa ditadura que ainda hoje tem que enfrentar os Movimentos de Resistência naquele Território, agora sim, Colónia de Angola. E tal como Macau, não colónia mas sim concessão da própria China e que, contrariada teve que recebê-la de volta. E hoje não falo do território português de Olivença, porque este, pela lei internacional, é mesmo português e não espanhol. E que não é caso idêntico ao de Gibraltar que Espanha continuamente reclama a Inglaterra.

Sem comentários:

Enviar um comentário