A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

domingo, 31 de maio de 2015

A MONARQUIA É POPULAR E NATURAL

Rei Dom Manuel II e Rainha Dona Amélia na varanda do Palácio Carrancas no Porto recebendo calorosa saudação do Povo

Na sua génese, sensivelmente, todas as sociedades principiaram por se organizar em estruturas políticas monárquicas. Talvez por isso, por um princípio de direito natural, na iconografia popular não há lugar à terminologia republicana, pois há sempre uma princesa a ser resgatada por um príncipe de um qualquer destino trágico, tal como só faz sentido haver um Rei do Rock, um Rei da Pop, Princesas da Pop e o Prince, claro.

Existe de facto um misticismo de alta condição em torno da Figura Real!
O olhar fito do Rei a si conduz
Os olhares fitados e vizinhos
O Rei fala, e um seu gesto tudo prende,
O som da sua voz tudo transmuda.
E a sua viva Majestade esplende.
– Fernando Pessoa, 31/07/1935
Seria estranho escutar a expressão o “Presidente/a da Pop”, porque só um Rei dá ânimo e estimula a auto-estima da Comunidade, pois um Rei é um grande motivo de orgulho para o Seu Povo, que sabe ter na Figura Real a encarnação da história da Nação e da gesta de um Povo. É algo natural atribuir a alguém que se destaca desmedidamente numa determinada área artística um título “real”, porque no âmago todos somos monárquicos. Não haveria nexo em outorgar a uma figura desta envergadura outro rótulo que não fosse de tal grandeza.

Há uma relação imediata entre um Rei e os cidadãos do seu país, que hoje não são vassalos e nem sequer já súbditos. Estes cidadãos de pleno direito vêem no Rei a referência e, também, a última, e por vezes derradeira instituição, que sentirá as suas necessidades e, porque não raras vezes os interesses mais arbitrários do Estado tomam a forma e a cor do direito para se imporem, o defenderá perante a possível prepotência dos políticos, pois façamos um prolongamento lógico: esta transformação do Estado pode em última instância conduzir ao aparecimento de regimes não democráticos de diversas inspirações.

No estado democrático e social de direito não há um governo representativo clássico, mas uma democracia representativa, pelo que pode um governo ser eleito com um determinado programa legislativo e depois dar uma volta de 180 graus e governar de forma completamente diversa do que prometeu quebrando assim o contrato social que estabeleceu com os seus eleitores, reclamando uma legitimidade democrática que já não possui, que escolhe por nós e nos diz como devemos viver.

Assim, torna-se necessária uma Entidade com consciência da virtude da dignidade da pessoa humana, a quem não desperta um gosto por poder e/ou privilégio, pelo que a Coroa será sempre mais progressiva que uma Presidência, pois não fica confinada ou agarrada à defesa de interesses políticos, e o Rei educado para o serviço e missão que é reinar tomará o ser cargo por um ofício dedicado ao bem-estar do seu Povo e à defesa dos interesses do seu País.

Miguel Villas-Boas – Plataforma de Cidadania Monárquica

Sem comentários:

Enviar um comentário