28.º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DO PORTO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

DEVOLVER OS BENS À CASA DE BRAGANÇA, A VERDADEIRA



Os jornais noticiam um agravamento sem precedentes do passivo da Fundação Casa de Bragança, presidida, como sabem, pelo "monárquico" Marcelo Rebelo de Sousa. O passivo era, em 2014, de 2.789.535,06 euros.

A Fundação da Casa de Bragança, a tal que nasceu de acto discricionário do Estado, o famigerado Decreto-Lei n.º 23240, de 21 de Novembro de 1933, pelo qual se procedeu a interpretação casuística de uma vaga formulação expressa por D. Manuel II. A iniciativa legislativa do Estado foi de imediato contestada pelo então Duque de Bragança. A Fundação visou, desde o seu primeiro dia, limitar a liberdade e acção da Casa Real e submetê-la ao controlo do Estado, pelo que a bondade da sua existência deve ser questionada e combatida sem trégua por todos os monárquicos. Este tema devia ser prioritário para o movimento monárquico, pois antes de se pensar na restauração da instituição real há que defender os direitos de uma família que foi reduzida à miséria com o evidente propósito de a neutralizar enquanto força política.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário