COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

LEI DO PROTOCOLO DO ESTADO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sábado, 31 de outubro de 2015

REAL DE LISBOA RECEBIDA NA CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS


A direcção e o Núcleo da Costa do Estoril da Real Associação de Lisboa foram recebidos quarta-feira dia 28 de Outubro na Câmara Municipal de Cascais pelo seu presidente, Dr.Carlos Carreiras. Estiveram presentes João Távora, Presidente da Direcção, Aline Gallasch Hall, José Craveiro Lopes Lobão e Pedro Teles do Núcleo do Estoril e Teresa Côrte-Real, coordenadora dos núcleos.

Durante a audiência, que decorreu com enorme cordialidade, foi apresentada a agenda de actividades e projectos do núcleo para 2015-2016,com propostas nas áreas da Cultura, da Educação e da Cidadania. Em destaque, esteve a importância do reforço do papel do Mar enquanto fonte de desenvolvimento e a necessidade de afirmação da identidade concelhia em toda a sua diversidade.


 

 

 


HOMENAGEM A SÃO D. NUNO ÁLVARES PEREIRA NO PORTO DIA 7 DE NOVEMBRO



A Associação de Auditores dos Cursos de Defesa Nacional, vai levar a cabo uma homenagem a São D. Nuno Álvares Pereira, na cidade do Porto, em 7 de Novembro próximo, no Forte de S. João Baptista, na Foz.

A homenagem inclui uma missa com o Bispo das Forças Armadas e de Segurança, na parte da manhã e uma conferência com um painel de três oradores, da parte da tarde, conforme programa.


AMPLIAR

Paulo José da Cruz Lourenço
Tenente-Coronel

Vice-presidente da AACDN
 Associação de Auditores
dos Cursos de Defesa Nacional

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

SS.AA.RR. OS DUQUES DE BRAGANÇA AMANHÃ À NOITE NA SIC



Amanhã, Sábado, dia 31 de Outubro, no Jornal das 20 horas da SIC (Jornal da Noite), será transmitida uma entrevista conjunta de Suas Altezas Reais os Senhores Dom Duarte e Dona Isabel de Bragança.

O PENSAMENTO D'EL-REI


“Considerando que as coisas aqui não iam bem, e vendo os exemplos de toda a Europa, onde não vão melhor, decidi fazer uma revolução completa em todos os procedimentos do governo daqui, uma revolução a partir de cima, fazendo um governo de liberdade e de honestidade, com ideias bem modernas, para que um dia não me façam uma revolução vinda de baixo, que seria certamente a ruína do meu país. (…) Até ao momento, tenho tido sucesso, e tudo vai bem, até melhor do que eu julgava possível. Mas para isso, preciso de estar constantemente na passerelle e não posso abandonar o comando um minuto que seja, porque conheço o meu mundo e se o espírito de sequência se perdesse por falta de direcção, tudo viria imediatamente para trás, e então seria pior do que ao princípio.”

– Carta d’ El-Rei D. Carlos I ao Príncipe Alberto I do Mónaco in Fevereiro de 1907

https://plataformacidadaniamonarquica.wordpress.com/2015/10/28/o-pensamento-del-rei/

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

O PENSAMENTO E A MILITÂNCIA MONÁRQUICA - VERDADES ESQUECIDAS

 
" O movimento monárquico português oferece uma opção clara, definida e honrada. Aparece tal e qual como é. Quem gosta, quem acredita, quem quer lutar, quem está disposto a servir honradamente o Bem Comum alinha connosco. Os outros farão o que melhor entenderem. É evidente que não alcançaremos vitórias pacificamente. Por isso somos militantes e não sócios de uma inofensiva organização que se instala na sociedade portuguesa sem luta e sem riscos, ou crentes anjeloides incapazes de combater na cruzada em que deveriam militar."

Gastão da Cunha Ferreira, Manual Monárquico Português, p. 35, Lisboa, 1992

CONFERÊNCIAS S.M. REI CARLOS ALBERTO DE SABOIA, NO PORTO

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

A ISENÇÃO DA COROA

 
“O monarca lavrou então o decreto mandando o seu antigo ministério bochechar e encarregou o senhor marquês de Ávila e Bolama de reunir com os seus amigos o número de dentes necessários para formar uma gerência duradoura e firme.” – Ramalho Ortigão.

Vestido do manto da isenção, uma vez que o Rei é supra-partidário, e consequentemente não toma partido, esta indigitação para o citado presidente do Ministério – a ser – formar governo, não provocou qualquer prurido em partido ou facção partidária quaisquer. O Rei nunca foi acusado de sectarismo, de defender a cor da sua facção, pois o Rei é de todos e para todos e visa o interesse da comunidade e da Nação como um todo e não em parte.

Hoje, no actual Estado das Coisas republicano, o exercício do poder – rico em latentes subentendidos -, depende de multíplices circunstâncias que escapam ao nosso [cidadão comum] entendimento. Desconhecemos, em profundidade, no que se escora essa execução que mistura intenções e pressões; qual o móbil que inspira e o motor que faz girar os actuais políticos; que lobbies contribuem para a produção de listas partidárias; escolhas em concursos públicos; produção legislativa; nomeações para cargos superiores da administração pública, etc.

Por isso é necessário que o exercício do poder deixe de ser equívoco e passe a ser realizado de acordo, não só com o mínimo ético, mas, ainda mais além, que se identifique com a moral. Não se deve separar nem opor Moral e Política, uma vez que o bem-ser regula sempre o bem-fazer. É necessário apagar a diferença que existe actualmente entre eles. Não pode subsistir o poder pelo poder, com a frustração da Moral, mas sim unir-se os dois conceitos, para se alcançar o soberano bem da Nação.

É evidente que é condição última desta união a existência de uma Chefia de Estado e um sistema de governo que potencie esse bem supremo, e este só pode ser o da Monarquia.

Diante da premência da permuta entre um sistema de valores e de instituições escleróticos, por uma chefia de Estado hereditária e sistema de governo, verdadeiramente, democrático, e um parlamento organizado e adaptado à realidade contemporânea e que represente verdadeiramente todos os cidadãos e no qual estejam representadas todas as forças vivas da sociedade, é claro que urge a restauração da Monarquia Constitucional Parlamentar, exemplarmente encimada pela pessoa de um Rei.

Ou seja, na Monarquia Constitucional sobre a forma de governo de uma Monarquia Parlamentar – que deriva de uma legitimidade democrática – o Monarca servirá o tradicional papel de encarnar e representar a Nação, enquanto o governo é exercido por um gabinete composto predominantemente de membros eleitos do Parlamento. Depois com o Poder Moderador privativo do Monarca, o Rei será a base de toda a estrutura política, como Chefe de Estado e Chefe Supremo da Nação, que, incansavelmente, por sentido de missão, acautelará a subsistência da independência e estabilidade dos outros três poderes e o interesse nacional, isto é, do bem da coisa comum.

Miguel Villas-Boas – Plataforma de Cidadania Monárquica

terça-feira, 27 de outubro de 2015

CAMPANHA: "VAMOS COLOCAR ESSE SEQUEIRA NO LUGAR CERTO"

 Esta obra-prima custa seis cêntimos (a cada português)

A campanha só agora começou, mas isso não impediu o director do Museu Nacional de Arte Antiga de já lhe ter reservado um lugar nas futuras galerias. A Adoração dos Magos, que integra um conjunto de quatro óleos a que os historiadores se referem como o “testamento” de Domingos António de Sequeira, vai ter a seu lado outras obras deste que é um dos mais importantes pintores portugueses do século XIX.

Lá estarão a Alegoria à Constituição, a Coroação da Virgem, o Retrato da Família do 1.º Visconde de Santarém e o do conde de Farrobo, assim como uma das pinturas que o artista fez quando, regressado dos seus primeiros anos em Roma, achou que o meio cultural português era demasiado pequeno e que o melhor mesmo era tornar-se monge na Cartuxa de Laveiras.
 “Se vamos arriscar uma campanha como esta, inédita no país, temos de ser optimistas. E eu sou um optimista congénito”, diz António Filipe Pimentel, director de Arte Antiga. “Até já encomendámos a tabela da obra”, com a respectiva legenda e informação adicional. A campanha a que se refere destina-se a comprar a pintura Adoração dos Magos por 600 mil euros a um privado, descendente do primeiro duque de Palmela, e pretende atrair grandes e pequenos mecenas. Será a primeira do género em Portugal, embora seja prática comum em vários países há décadas.

A ideia, explica, é envolver a sociedade civil na aquisição de uma “obra absolutamente excepcional” para o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), a sua “casa natural”, já que Sequeira (1768-1837) é o artista mais representado na sua colecção – 45 pinturas, embora 23 sejam esboços mais ou menos acabados, e 760 desenhos, mais de metade dos que lhe são hoje atribuídos (1417).

Durante os próximos seis meses, instituições, empresas e cidadãos poderão contribuir no museu – onde a obra vai estar exposta e à volta da qual se organizarão visitas guiadas –, por transferência bancária ou na página sequeira.publico.pt. Esta é uma iniciativa do MNAA, do PÚBLICO, da Direcção-Geral do Património Cultural e do próprio Governo, que tem como parceiros a agência de publicidade Fuel, a Fundação Millenium BCP, o grupo de amigos do museu e a RTP. “Queremos mostrar que os museus portugueses estão preparados para fazer a sua parte no que toca a procurar financiamento para compras importantes”, assegura Pimentel, referindo-se à campanha que tem por mote genérico Vamos pôr o Sequeira no lugar certo e garantindo que se trata de uma oportunidade única para que os portugueses descubram a obra e o seu autor, que está longe de ter o reconhecimento nacional que merece. “Os museus não podem ficar à espera que os governos aumentem as verbas para fazerem crescer as suas colecções. Muito menos em tempos de crise. Se o fizerem, ficarão permanentemente reféns. Têm de procurar alternativas.”

Uma obra do fim

Quando António Filipe Pimentel chegou à direcção do MNAA, em 2010, já se discutia – e preparava – a compra da Adoração dos Magos (1828) desde o ano anterior. O seu dono, que prefere manter o anonimato, manifestara a intenção de a vender e disponibilizava-se a fazê-lo directamente ao museu, privando-se do valor mais alto que poderia atingir no mercado de leilões, sobretudo o português, já que, no estrangeiro, lembra Isabel Cordeiro, técnica do MNAA e antiga directora-geral do património, “Sequeira é muito pouco conhecido” e, por isso, não alimentaria grandes disputas.
Seiscentos mil euros, garante o director do MNAA, é uma cifra definitiva, que não foi sujeita a qualquer negociação. Porquê este preço? É o valor pelo qual a obra foi segurada à data da última exposição que integrou (D. João VI e o seu tempo), no Palácio Nacional da Ajuda, em 1999, explica Pimentel. “É um preço com mais de 15 anos. Estou convencido de que no mercado nacional encontraria facilmente comprador e é muito provável que atingisse um valor mais elevado. O facto de o proprietário insistir que fique aqui é um acto de generosidade, de cidadania. É preciso não esquecer que o dono desta Adoração está à espera de a vender há seis anos. Tem estado à nossa espera.”

A relevância desta compra para o museu não tem a ver com valores de mercado, que dependem sempre das circunstâncias, sublinha Cordeiro, defendendo que o que interessa é o peso simbólico que a pintura tem para Portugal e para a colecção do MNAA. “Trata-se de uma obra de grande qualidade de um dos maiores pintores portugueses do século XIX, para muitas pessoas o maior. É vital para dar coerência e força ao discurso do museu sobre a pintura portuguesa, que começa um pouco antes dos Painéis de São Vicente [c.1470] e acaba em meados do XIX. Esta obra vem preencher uma lacuna, uma cratera, fechando com uma peça-chave a história que as galerias novas vão contar [a partir de 2016].”

Essa “lacuna” diz respeito à fase final de Sequeira – os últimos anos em Roma, de intensa experimentação – que, com a Adoração, passaria a estar representada “ao mais alto nível”. É impossível falar da sua carreira, argumenta Pimentel, sem nos demorarmos neste testamento que tem um “lado de exegese muito grande”, um “sentido profundo de fim”.

A “série Palmela”

A pintura que o MNAA quer agora comprar faz parte da chamada “série Palmela”, um conjunto de quatro telas sobre a vida de Cristo (todas com 100X140cm) – Descida da Cruz, Adoração dos Magos, Ascensão e Juízo Final –, que terão sido executadas entre 1827 e o começo da década de 1830 (o que se sabe ao certo é que, devido à doença que o deixou física e mentalmente incapaz, em 1833 Sequeira já não trabalhava e que o óleo do Juízo, o último, está inacabado). As obras foram compradas por D. Pedro de Sousa Holstein, duque de Palmela, à filha do artista, em 1845, e estão ainda hoje nas mãos dos seus descendentes (estiveram todas no MNAA na última exposição ali dedicada ao artista, em 1997).

“Começa aqui a compra das quatro”, brinca Pimentel, sem deixar de sublinhar que basta que cada português contribua com seis cêntimos para que a Adoração passe a ser um privilégio de todos – e não apenas de alguns. “Se tudo correr bem, daqui a seis meses só nos faltarão três.”

Também Alexandra Markl, conservadora de desenho do MNAA e autora de uma tese de doutoramento sobre Sequeira (2013), gostaria de ver toda a “série Palmela” a título permanente nas paredes do museu. Em primeiro lugar, pela qualidade pictórica, em segundo pela coerência que é capaz de imprimir ao discurso da própria colecção. Sequeira é, lembra, um pintor formado na melhor tradição, que vive num tempo de profundas transformações, em que o neoclassicismo está a chegar ao fim, em que os artistas procuram novos caminhos e o romantismo dá os primeiros passos.

“Esta Adoração, tal como a Descida, é uma obra nocturna, com muitas figuras. Tem uma luz mística, intimista, e uma paleta quente. Faz lembrar Rembrandt [pintor holandês do século XVII]”, diz Alexandra Markl. “Ela é um epílogo natural para a história da pintura antiga portuguesa que começamos a contar um pouco antes dos Painéis de S. Vicente. E porquê? Porque ela vem do passado mas está à procura de algo que é inteiramente novo.”

Como se tudo isto não bastasse para justificar a compra da Adoração, Markl lembra que o museu tem já dezenas dos desenhos preparatórios e os quatro cartões da série (estudos finais para as pinturas), resgatados dos cofres do Montepio de Roma, em 1859, pelo marquês de Sousa Holstein (1838-1878), filho do primeiro duque de Palmela e autor de uma biografia, possivelmente inacabada e hoje desaparecida, de Sequeira. Quando a colecção da família foi a leilão, 20 anos mais tarde, estes cartões foram comprados para a Real Academia de Belas-Artes, integrando depois o acervo do MNAA. “Estes cartões provam que Sequeira era um mestre do desenho, muitíssimo ousado e inovador. Provam também que o tratamento da luz tem uma importância absolutamente central na sua produção, sobretudo nos trabalhos finais.”
Desenhador exímio, pintor talentoso, Domingos Sequeira fez a sua formação em Portugal e em Itália, trabalhou para príncipes, aristocratas e burgueses, e chegou a pintor régio, no meio de um percurso tantas vezes conturbado que incluiu um breve período de vida monástica, acusações de colaboracionismo (com os franceses das Invasões) e até a prisão, na noite de Natal de 1808. Liberal entusiasta, acabou por optar pelo exílio em 1823, vivendo em Paris os três anos seguintes e em Roma, que conhecia bem como estudante de pintura, a última década de vida.

Controverso, impulsivo e pouco disciplinado quando se tratava de ensinar – assim o descreve Markl – Sequeira trabalha muito, procurando sempre aperfeiçoar-se e, nos últimos anos em Roma, entrando no debate sobre o futuro da pintura a que a comunidade artística se dedicava.

“O bom Domingos Sequeira é certamente dos bons pintores da Europa do seu tempo”, defende Pimentel, citando como obras de referência, além da Adoração dos Magos e das restantes da “série Palmela”, o Retrato da família do 1.º Visconde de Santarém ou os do conde de Farrobo e de João Baptista Verde, amigo e cunhado do artista.

O papel do Estado

Envolver a sociedade civil na compra de uma pintura para a colecção de um museu público é, à partida, uma boa ideia, mas é algo para analisar caso a caso e não deve, em cenário algum e por melhor que seja a receptividade das pessoas, substituir uma política coerente e consistente de aquisições por parte do Estado. Esta é a opinião de Raquel Henriques da Silva, historiadora de arte que dirigiu o antigo Instituto Português de Museus entre 1997 e 2002. Para esta professora universitária, que dedica boa parte do seu tempo ao estudo da arte portuguesa dos séculos XIX e XX, o lançamento da campanha do MNAA é uma “boa notícia”, desde logo pela qualidade da obra em causa, e uma oportunidade para reflectir sobre o mecenato e o papel social do património.
“O destino natural de obras tão extraordinárias como esta é, sem dúvida, um museu. Mas até lá chegarmos é preciso que muitos dos intervenientes concertem vontades. A participação de todos nós – sim, eu farei questão de contribuir – é o fim do processo.” O primeiro acto de mecenato, explica, parte do próprio proprietário que, querendo vender, se disponibiliza a adequar o preço do bem não ao valor que poderia atingir no mercado aberto, mas ao valor que o museu pode pagar, mesmo que para isso tenha de recorrer, como aqui, a uma campanha pública de angariação de fundos.

“Os Palmela sempre mantiveram contactos importantes com os museus portugueses e é grande, para o nosso contexto, a sua tradição coleccionista. Creio que, neste caso, o dono da pintura compreende que o seu capital simbólico não deve estar indexado ao preço.”

O “capital simbólico” desta Adoração dos Magos, precisa a historiadora de arte, prende-se com a importância do seu autor para a história da arte portuguesa e com as características da própria pintura, e prende-se também com as circunstâncias da sua aquisição no século XIX e com o lugar que ocupa no percurso de Domingos Sequeira. “É uma obra de uma qualidade pictórica absolutamente extraordinária. O acerto entre o tema e a sua execução é primoroso, com as figuras a dissolverem-se sob a acção da luz. É de uma grande modernidade, transformadora, e foi comprada para uma colecção que fez história na arte portuguesa, a dos Palmela.” A modernidade a que se refere tem como referente, no passado, Rembrandt, e, no tempo de Sequeira, William Turner (1775-1851).

Tal como Francisco de Goya (1746-1828), diz Raquel Henriques da Silva, Sequeira passou de artista do Antigo Regime a pintor da revolução, viveu uma guerra civil, foi perseguido e emigrou por motivos políticos. “Nos tempos que vivemos hoje, a história do Sequeira é fácil de passar, mesmo a um público que não o conheça e que não morre por isso. É uma boa altura para falar nele e esta campanha é também uma oportunidade de levar as pessoas a descobrirem uma obra que vale mesmo a pena, de que se podem orgulhar.”

A professora universitária lembra ainda que acções deste tipo, até aqui inéditas em Portugal, são prática comum noutros países e defende que o envolvimento dos cidadãos deve vir depois da intervenção do próprio Estado: “Quando falamos da possibilidade de comprar para Arte Antiga um tesouro como este, o Estado deve dar o exemplo e dar o exemplo significa ser o primeiro subescritor da campanha. Dar o exemplo não é chegar no fim e, caso a campanha tenha ficado aquém do objectivo, pôr o dinheiro que falta.” Acrescenta esta académica que, por princípio, a participação estatal não deve ser inferior a um terço do custo da obra a adquirir. “Um terço é o mínimo, sem isso não há credibilidade, não há como o Estado esperar que o comum dos cidadãos faça da compra de uma pintura de um artista de quem até poderá nunca ter ouvido falar uma causa sua.”

O que tem acontecido nos últimos tempos, explica Henriques da Silva, é que, sem uma estratégia de aquisições, a Secretaria de Estado da Cultura (SEC) tem reagido ao mercado sempre em cima da hora. Ainda que reconheça que, apesar de tudo, tem feito algumas compras, houve pelo menos um caso em que “acordou tarde de mais”: O Almoço do Trolha, de Júlio Pomar, ícone da pintura neo-realista portuguesa, que foi leiloada em Maio por 350 mil euros e que agora faz parte da colecção do Centro de Arte Manuel de Brito, “em vez de estar no Museu do Chiado”.

João Fernandes, director-adjunto do Museu Rainha Sofia, em Madrid, classifica a campanha para a compra da Adoração como uma "iniciativa interessante de cidadania" mas, tal como José Luís Porfírio, crítico e antigo director do MNAA, alerta para o facto de ela não isentar o Estado de assumir as suas responsabilidades.

"O ónus não pode recair apenas sobre os cidadãos e a participação do Estado é um indicador de que a obra vale a pena", diz Fernandes, que dirigiu o Museu de Serralves, no Porto. Se deve pôr uma verba à disposição do museu à cabeça ou chegar no fim da campanha "é indiferente, desde que participe".

O Rainha Sofia nunca organizou nada do género mas, ao contrário de Arte Antiga, conta com um orçamento para compras, verba que o curador não consegue precisar porque o dinheiro para obras de arte e para agrafadores ou esferográficas sai do mesmo bolo. "É claro que o que temos sabe sempre a pouco", diz, ressalvando que a falta de investimento dos museus nas suas colecções não é um exclusivo de Portugal: "É um problema europeu e prende-se com a falta de sensibilidade dos políticos para a importância de fazer crescer hoje as colecções públicas, o que as fragiliza, sobretudo quando vemos nascerem museus de iniciativa privada que são produto de uma grande especulação nos mercados. Os políticos têm de perceber que a Europa não pode ser só um continente de ruínas. Bonitas, mas de ruínas."

Essa falta de investimento preocupa também José Luís Porfírio, que não faz previsões quanto ao resultado da campanha, "louvável", que tem para já o "mérito" de tentar ligar as pessoas a um património que é seu. "Este não é um Sequeira qualquer", acrescenta. "A Adoração é absolutamente excepcional, uma peça de indiscutível raridade. Seria bom, aliás, que toda a série [Palmela] estivesse no museu", defende, acrescentando que cabe ao Estado "dar o pontapé de saída" neste esforço público.

António Filipe Pimentel não avança detalhes sobre uma eventual participação da SEC na aquisição da pintura, mas garante que “a tutela está a fazer um esforço” e lembra que, apesar das enormes contingências orçamentais, as compras para os museus portugueses aumentaram a partir de 2012 e já contemplaram, mais do que uma vez, o MNAA, embora com obras longe do valor desta Adoração (o Tríptico de Santa Clara, 30 mil euros; uma papeleira do século XVIII, 20 mil; e uma pintura do maneirista espanhol Francisco Venegas, 22 mil).

O PÚBLICO tentou saber junto do gabinete de Jorge Barreto Xavier se há planos definidos para um eventual contributo financeiro nesta campanha, mas o secretário de Estado da Cultura preferiu não fazer comentários.

Optimista, uma vez mais, Pimentel acredita que, no final, muitos mais conhecerão Sequeira e que a resposta dos portugueses ao repto “seja mecenas por um euro ou por 100 mil” vai ser adequada à importância da Adoração. “Temos de ser nós, todos nós, a fazer dos museus lugares onde vale a pena ir, onde vale a pena estar. E a boa pintura, uma obra-prima como esta, torna os museus melhores.”
 Resultado de imagem para PUBLICO

FOTOGRAFIAS DA 2º PARTE DO XXI CONGRESSO DA CAUSA REAL

 
Dr. António de Sousa-Cardoso, o novo Presidente da Causa Real

 
Delegação da Real Associação de Viana do Castelo

 
Delegação da Real Associação de Braga