A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

5 DE OUTUBRO DE 1143 - INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL


Tratado

Em 5 de Outubro de 1143 foi celebrado um Tratado na cidade leonesa, homónima, de Zamora, na qual foi assinada a paz organizada pelo Arcebispo de Braga Dom João Peculiar e que teve como intervenientes Dom Afonso Henriques e o seu primo Afonso VII de Leão e Castela, sob os auspícios do enviado papal, o Cardeal Guido de Vico. Pode-se dizer que foi o desfecho da conferência de Tui em 1137, na qual já tinha sido assinada uma Paz, mas na qual Dom Afonso Henriques ainda era apelidado de ‘Infante’ e se obrigava a defender o Imperador das Espanhas, a sua Terra, assim como a sua descendência. Dom Afonso Henriques, contudo, nunca prestou esta vassalagem e apenas firmou essa paz para evitar duas frentes de altalha uma vez que estava acossado pelos Sarracenos a sul! Mas após a Batalha de Ourique, em 1139, onde arrasou os mouros e consegue a vitória que o engrandece declara a Independência face a Castela-Leão.

Porém, foi com a assinatura do tratado em Zamora que resultou o nascimento daquele que é considerado o mais antigo Estado-Nação do mundo ocidental: PORTUGAL.

Neste Tratado de Zamora, ficou assente que Afonso VII de Castela e Leão concordava com a transformação do Condado Portucalense em Reino de Portugal com Dom Afonso Henriques com o título de ‘Rex Portucalensis’– Rei de Portugal, embora continuasse, apesar do reconhecimento da Independência, como vassalo do Rei de Castela e Leão, que se intitulava Imperador da Hispânia.

Porém, caso único entre todos os Reis da Ibéria, Dom Afonso Henriques nunca prestou essa vassalagem. A partir desta data, Dom Afonso Henriques passou a enviar ao Papa remissórias declarando-se vassalo lígio e comprometendo-se a enviar anualmente uma determinada quantia em ouro, pelo que, em 1179, o Papa Alexandre III, através da Bula Manifestis Probatum, reconheceu Dom Afonso Henriques como ‘Rex’.

Alexandre Herculano escreveu que ‘o imperador reconheceu o título de rei que seu primo tomara, e que este recebeu dele o senhorio de Astorga, considerando-se por essa tenência seu vassalo. Não é menos provável que, ainda como rei de Portugal ficasse numa espécie de dependência política de Afonso VII, o imperador das Espanhas ou de toda a Espanha, como ele se intitulava nos seus diplomas’. Todavia, na Bula acima referida, o Papa ao aceitar que Dom Afonso Henriques lhe preste vassalagem directa, reconhece não só, definitivamente, a independência do Reino de Portugal, como o Rei de Portugal fica livre de prestar vassalagem ao Rei de Leão e Castela, Imperador de toda a Espanha, porque nenhum vassalo podia ter dois senhores directos.

Assim sendo, tendo ganho a sua Independência e soberania enquanto Estado naquele 5 de Outubro de 1143, os Monárquicos, e os Portugueses em geral, celebram, sempre, a 5 de Outubro, o nascimento do Reino de Portugal. Note-se ainda que, Portugal encontra-se a 28 anos de completar 900 anos de existência e desejo de todos os Monárquicos é que se celebre a futura data já, novamente, como Reino, Soberano e Independente,

Viv’ó Rei! Viv’á Monarquia!

VIVA PORTUGAL Independente e Soberano!

Miguel Villas-Boas – Plataforma de Cidadania Monárquica

Sem comentários:

Enviar um comentário