A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sexta-feira, 29 de abril de 2016

DITADURA DOS PARTIDOS

c-27
 
A Coroa é o ponto mediano à divergência que naturalmente ocorre nas sociedades humanas. A tendência natural nas Democracias é estender o conceito de “nós contra os outros” à generalidade da sociedade impondo a ideia de que a procura de uma sociedade mais justa se resume à fidelidade a um grupo político num ambiente de constante crispação ideológica, que não raras vezes assume contornos de culto. O séc XX foi um paradigma sobre a continuidade entre Democracias e Ditaduras na ausência de algo que evite a crispação social, fosse essa crispação de natureza económica, história ou puramente racial.

A Monarquia é a encarnação e personificação de um bem nacional, a Identidade Cultural.

O argumento recorrente para os defensores do parlamentarismo é o de que a Cultura e a identidade nascem do debate e do choque de opiniões num espaço estritamente político, o que não deixa de ser apelativo. Trata-se, porém,  de um resumo ingénuo sobre o funcionamento regular das sociedades humanas e no geral é o mesmo que dizer que a espuma que se forma nas praias condiciona a totalidade do Oceano.

A Coroa  – e não o parlamento – é o local fundamental de lealdade, para que debate nacional (dentro e fora do Parlamento)se estenda para além dos limites de fidelidade partidária e livre dos dogmas ideológicos. Não raras vezes o Parlamento assume os contornos dos regimes absolutistas, confinando às paredes do parlamento, aso parlamentares e aos limites ideológicos dos partidos a discussão do País ,o que também frequentemente acaba por resumir todo o efeito do parlamento (e com ele frequentemente o País) à sobrevivência dos partidos ou dos seus dirigentes ao voto popular.

Neste contexto a Monarquia representa um limite para as reivindicações absolutistas dos partidos e dos seus dirigentes à Democracia, assim como a própria sobrevivência da Democracia pressupõe uma Coroa para evitar tornar-se ela própria (a Democracia) uma ditadura: dos partidos ,da oligarquia financeira ou do povo.

RGS

omantodorei

1 comentário:

  1. Acho que os republicanos e monarcas devem conviver bem com a monarquia. Assim acontece em Espanha. Isso deve acontecer antes que Espanha se lembre de anexar. Mas podia ser estado ibérico, com fronteiras. Assim é EUA e Grã-Bretanha.
    Para isso só propor dialogo.

    ResponderEliminar