LEI DO PROTOCOLO DO ESTADO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

quarta-feira, 25 de maio de 2016

CHARLES-PHILIPPE D’ORLÉANS APRESENTA ROMANCE A PLATEIA ILUSTRE

“Os Conjurados de 1640” é o título deste segundo livro de Charles-Philippe, um romance histórico, apresentado há dias no Palácio da Independência, em Lisboa.

 

Charles-Philippe d’Orléans, marido de Diana de Ca­daval, lançou o seu segundo livro. Os Conjurados de 1640 é um romance histórico que conta um dos episódios mais marcantes da independência portuguesa. Não foi, por isso, feito de ânimo leve. “Este livro demorou muito tempo, quase três anos, a escrever. Uma vez seleccionado o tema, li 21 livros em diferentes línguas para conhecer bem o clima e o ambiente do século XVII e da invasão espanhola”, explica o autor, salvaguardando: “Não foram três anos de trabalho intenso. Este livro não retirou tempo nem à família nem ao trabalho.” Ainda assim, não esconde que o apoio da mulher foi fundamental: “Foi uma aventura a dois, porque eu preciso do apoio da família, da motivação, da inspiração, da ajuda. Costumo dizer que por detrás de todo o escritor há uma grande mulher. E eu tenho a sorte de ter a Diana, que me ajuda muito.” A duquesa de Cadaval confirma que se sente orgulhosa do marido:“Eu sou uma inspiração para ele no dia-a-dia, em tudo! Somos uma equipa muito boa.”

Orgulhoso estava também o primo, D. Duarte Pio de Bragança, um dos oradores de serviço na apresentação do livro, que aconteceu no Palácio da Independência, em Lisboa. O duque de Bragança aproveitou a oportunidade para elogiar o romance histórico enquanto instrumento de aprendizagem e criticou o sistema de ensino actual. “Este livro está muito bem escrito, transmite bem o espírito da época. Acredito que tem uma grande utilidade e que pode substituir o ensino, porque actualmente ninguém percebe nada da História de Portugal que é ensinada. É preciso que os programas sejam alterados”, defendeu. A esposa, D. Isabel de Bragança, partilha a opinião do marido, sobretudo porque os três filhos do casal estudam actualmente no país. “Hoje é só decorar, decorar e depois não fica nada lá dentro. Acredito que os romances históricos ajudem a sedimentar o que é dado nas aulas. Em relação aos meus filhos, como nós estamos a falar sempre um bocadinho dos temas, eles vão aprendendo”, sorri. Mas garante que isso não é sinónimo de terem sempre boas notas.



Fonte: Caras

Sem comentários:

Enviar um comentário