A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

segunda-feira, 2 de maio de 2016

D. AFONSO HERDOU DO SEU PAI O ESPÍRITO DE DEDICAÇÃO A PORTUGAL

http://images-cdn.impresa.pt/caras/2016-04-19-JNS-PB36-2.JPG?mw=820 

Afonso de Bragança herdou do seu pai o espírito de dedicação a Portugal

O príncipe da Beira é o filho mais velho do pretendente ao trono português, D. Duarte de Bragança. Em Guimarães, Afonso posou junto de um quadro do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques.



Aos 20 anos, Afonso de Bragança, que recebeu ao nascer o título de príncipe da Beira, é o patrono do recém-criado Prémio Príncipe da Beira Ciências Biomédicas. Na cerimónia de entrega, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Guimarães, era visível o nervosismo do filho mais velho dos duques de Bragança antes daquele que foi o primeiro ato público a que presidiu. Um nervosismo injustificado, já que, formal, mas cordial e simpático, o filho mais velho de D. Duarte e de D. Isabel de Bragança foi muito aplaudido no final do seu discurso. “No ano passado, quando os meus pais me disseram que iam instituir o Prémio Príncipe da Beira, através da Fundação D. Manuel II, fiquei surpreendido, mas achei fantástico. Estava um pouco nervoso durante a cerimónia, visto ser a primeira vez, mas acho que é muito importante motivar o trabalho notável dos jovens portugueses e continuar a promover os avanços nas ciências”, afirmou à CARAS.

Afonso realçou gostar do “simbolismo de associar o prémio à cidade que é berço da Nação”, deixando-se fotografar junto a uma imagem do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques. A estudar Relações Internacionais e Ciências Políticas na Universidade Lusíada, em Lisboa, o primogénito dos duques de Bragança está a gostar muito do curso e diz que espera conseguir em breve fazer um ano de Erasmus.

Recorde-se que Afonso fez o ensino secundário em Inglaterra, num colégio interno católico com uma forte componente de formação militar. E apesar de ser ainda muito jovem, diz que quer dar continuidade ao trabalho dos pais e representar a Casa Real portuguesa: “No futuro gostava de seguir as pegadas do meu pai. Com o curso que estou a tirar, fico com bases para dar seguimento ao que ele tem vindo a fazer. E sinto-me cada vez mais preparado.”
 
Com a serenidade que a caracteriza, D. Isabel assistiu na primeira fila ao discurso do filho, e, no final, partilhou connosco: “Estou muito orgulhosa como mãe, mas também como portuguesa, por ver o meu filho apoiar a investigação científica em Portugal. Confesso que quando visitei as instalações da Universidade do Minho fiquei fascinada com o trabalho que ali desenvolvem. As ciências em Portugal têm de ser apoiadas e estimuladas, temos pessoas extraordinárias que merecem ver o seu trabalho reconhecido e acarinhado. Fico muito contente que o meu filho tenha querido dar o seu nome a um prémio para as ciências, porque é um dos caminhos de Portugal.”
 
Feliz por ver Afonso a representar a Casa Real e a assumir o protagonismo nesta cerimónia, D. Isabel acrescentou que o filho “é mais um apaixonado por Portugal e já fez saber que quer continuar o trabalho de servir o país. E isso é muito bonito.”
 
Um desejo de compromisso com o futuro do país que a duquesa encara com naturalidade, frisando: “Os meus filhos [além de Afonso, D. Duarte e D. Isabel são pais de Francisca e de Dinis] cresceram com o sentido de servir Portugal. Estamos aqui para fazer coisas, mas também sabemos que é uma grande responsabilidade. Por isso, quero que eles cresçam e façam as coisas da melhor maneira. O importante é que sejam bons no que fazem, para se sentirem bem.”

http://images-cdn.impresa.pt/caras/2016-04-19-JNS-PB40-2.JPG-1?mw=820 

Resultado de imagem para caras logo

Sem comentários:

Enviar um comentário