23º CONGRESSO DA CAUSA REAL

LEI DO PROTOCOLO DO ESTADO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sexta-feira, 6 de maio de 2016

QUEIXAS DE UM REPUBLICANO, A MONARQUIA DILUI OS EXTREMISMOS IDEOLÓGICOS

1104596_1

O jornalista espanhol, Juan Bolena (no El Periodico de Aragon) queixa-se num artigo sobre o efeito que o Monarca de Espanha tem sobre o mais radical dos partidos republicanos de esquerda. Chama Pablo Iglesias de ”Don Pablo” e atira farpas ao ideário republicano que, perante o Monarca, se divide em projectos individuais de Poder.


«O Canal público interrompeu o seu noticiário das três para transmitir em directo a conferência de imprensa que o líder do Podemos, Pablo Iglesias, ofereceu após a sua entrevista com Filipe VI de Espanha. As maiores honras de transmissão televisiva para quem, neste momento, não é nem mesmo o líder da oposição. Quando é que a  TVE, em tantos anos de transição, cortou o noticiário para fornecer uma ronda ao CiU, CDS, IU …?
 
O facto é que Don Pablo, com o público à sua disposição, começou seu discurso com um elogio ao Rei, aquele a quem, desde que é deputado, se refere respeitosamente como “o chefe de Estado”. Pedindo desculpas pelo atraso causado pelo motorista que o levou a Zarzuela - tinha o endereço errado - fazendo o monarca esperar, para o louvar em contínuo acto, novamente antes de os meios de comunicação, observava a “lucidez e solvência” de Filipe, que aparentemente manteve um debate ameno e instrutivo que mudou a sua ideia sobre “um pacto à Valenciana” em Aragão, o qual agora soa um pouco como uma caldeirada de frango e frutos do mar: uma aliança de partidos de esquerda e, supostamente, partidos republicanos … Ou não?
 
Porque, se na verdade eles foram, todos esses elogios à Coroa, à sua liderança, clareza e eficácia, podem ter diluído em fórmulas cerimoniais de mera cortesia.
 
Um verdadeiro republicano, numa acto de justa decisão, não deveria-se misturar tanto com as cabeças coroadas, deveria-se limitar a respeitar o trânsito da nossa história recente e propor alternativas para , tanto alianças de  Governo como soluções para a definição do nosso Estado, seja em monarquia ou república.
 
Não é improvável que, se um líder se apresentasse ante o eleitorado espanhol como  republicano de esquerda, pronto para realmente mudar as coisas, abolir a monarquia e religião, nacionalizar os bancos e os meios de produção, para se alinhar com outros blocos internacionais, ganhasse  o seu eleitorado. Pelo contrário, este jogo dos tronos, fintas e falsificações, esta postura interminável de programas e projectos específicos isentos só leva a equacionar a base de partidos que poderiam ser revolucionários mas que terminam em bancos burgueses a beber café, enquanto esperam pelo rei.»

fonte: El Periodico de Aragon

Sem comentários:

Enviar um comentário