25º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DE VISEU

25º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DE VISEU

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sábado, 10 de fevereiro de 2018

DOCUMENTÁRIO: HIMALAIAS, VIAGEM DOS JESUÍTAS PORTUGUESES (4/4)


SINOPSE – Episódio 4
Retemperadas as forças, o viajante e investigador Joaquim Magalhães de Castro parte para o distante e inóspito mas belo Ladakh, na fronteira com o Paquistão, região de forte cultura tibetana, encerrada ao mundo durante boa parte do ano devido ao seu rigorosíssimo Inverno. Nesta extenuante jornada, cercado por uma admirável paisagem onde se intercalam pitorescos vales, habitados e cultivados, com montes lunares onde os animais selvagens são o único sinal de vida, sucedem-se as portelas, entre as quais a segunda mais alta passagem asfaltada do mundo. 

Leh, antiga capital do poderoso reino de Ladakh e importante centro lamaísta, é ponto de partida para mais uma longa e difícil jornada, desta feita rumo ao belíssimo lago de Tsomoriri, junto à fronteira chinesa do Tibete Ocidental, não muito longe das ruínas de Tsaparang. Foi esta a rota em 1631 utilizada por Francisco de Azevedo e João de Oliveira, dois outros importantes pioneiros jesuítas.
Uma vez mais de regresso às planícies hindustanis, Joaquim deixa a capital indiana, Deli, rumo aos Himalaias, desta vez para percorrer a primeira rota utilizada pelo padre António de Andrade. 

Visita as cidades santas de Haridwar e Rishikesh, repletas de crentes hindus, e, sempre na companhia do rio Ganges, que corre nos vales cada vez mais fundos, embrenha-se pelas altas montanhas cobertas de pinheiros e abetos do Garwhal indiano, até ao templo de Badrinat, local de peregrinação dedicado a Shiva, o deus dos deuses, reputado pelas suas águas termais com propriedades miraculosas. 

Era perto de Badrinath, na aldeia de Mana, que os jesuítas portugueses retemperavam forças antes de iniciar a extenuante travessia para o Tibete, quantas das vezes com o risco da própria vida, merecendo, por isso, o justo título de «primeiros alpinistas europeus da História!».


Sem comentários:

Enviar um comentário