A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sábado, 13 de março de 2010

DOM VASCO TELLES DA GAMA – GAMA DE MONÁRQUICO


Décimo sétimo neto de Vasco da Gama, Vasco Telles da Gama, antiquário de profissão, não tem papas na língua. Para ele a descendência só pode ser directa. “Nós não somos descendentes colaterais do nosso padrasto”.

Orgulho sente-o, embora mais como um fardo do que como um privilégio. Descender de uma figura histórica como essa, no seu entender, “é um enorme peso sobre os ombros, pois há o dever de honrar e respeitar o nome que herdamos”.

Teimosia que dá frutos

Capacidade de comando e ferocidade têm sido as características mais apontadas do descobridor do caminho marítimo para Índia.

Esse alentejano de Sines, ganha a confiança de D. João II, que lhe incumbe várias missões que ele conduz com sucesso, as mais relevantes já em pleno reinado do Venturoso. No mar, a teimosia do capitão-mor, que só o acaso não permite que siga a carreira eclesiástica, leva-o, em finais de 1497, a dobrar o Cabo ao qual Bartolomeu Dias tinha desvendado os segredos, abrindo a porta para o Índico e o mundo encantado de onde chegavam as apetecidas especiarias e outros produtos exóticos.

Para o conseguir, Gama segue a filosofia do “antes morrer que ceder”, ou melhor, “antes a morte do que vida amortecida”, máximas que assentam na perfeição a alguém que é teimoso por natureza.

Essa teimosia, herda-a o nosso antiquário. Em prol da sua identidade, enfrenta judicialmente o Estado português durante quase uma década, “porque a administração, a certa altura, resolveu cortar-me o meu primeiro nome, que é Dom.” Dom Vasco Xavier Teles da Gama, assim o regista o pai logo que nasce, em finais dos anos 50.

O antiquário fica, no imbróglio, privado do bilhete de identidade. Um absurdo. “Praticamente passei à clandestinidade. Quando tinha actos públicos e notariais, recorria à minha certidão de nascimento e a duas testemunhas para dizerem que eu era eu”, recorda.

Durante oito anos, anda de recurso em recurso e só consegue recuperar o direito ao nome completo por uma decisão do Supremo Tribunal Administrativo. “Chamam a isto liberdade de igualdades e de direitos?”, pergunta.

Para Vasco Teles da Gama, a existência “desta república com quase 100 anos” é o seu Adamastor. A má convivência com a nossa História, deve-se, segundo ele, “ao vergonhoso processo de descolonização”. Não tem problemas em afirmar: “o actual complexo das entidades oficiais, que lhes tolhe os passos e enevoa as mentes, decorre do trauma da entrega das possessões ultramarinas.” Era necessário, mesmo fundamental, ter havido um longo processo de transição, “à semelhança do que se passou com Macau.”

Monárquico convicto

Vasco Teles da Gama afirma-se convictamente monárquico, “e não por tradição”, embora não enjeite certos princípios que recebeu na sua educação.

Em 1974, dá-se o 25 de Abril, “era então estudante universitário.” Aqui ao lado, a transição espanhola da ditadura de Franco para uma monarquia desperta-lhe a curiosidade e um maior interesse pela causa. Ao longo dos anos que se seguem consolida a convicção “de que poderíamos ser um país mais próspero, mais organizado e com melhor denominador comum se fossemos uma monarquia.” Até porque, “está provado”, custa menos ao erário público um regime monárquico do que um republicano. “O número de assessores de um presidente da Républica nunca mais acaba”, comenta.

Durante alguns anos bate-se pela sua convicção e chega a ocupar cargos directivos na estrutura monárquica, embora nunca se tenha filiado no PPM. E isto, porque considera que “a monarquia está para além da política”. Mais. Ela está acima da política. Só assim pode sobreviver.

Curiosamente, o homem que aposta nas qualidades do seu ascendente, o cognominado Príncipe Perfeito, estratega do Tratado das Tordesilhas, tudo faz para travar o acesso ao poder por parte da nobreza, que desde Aljubarrota perdera terreno. Essa nobreza solidifica o poder e recupera os privilégios no reinado de D. Manuel I. É ele que, a 7 de Julho de 1497, nas Cortes de Montemor, entrega a Vasco da Gama, o comando da primeira expedição à Índia.

Responsabilidade histórica

Ainda adolescente, Teles da Gama lembra-se de ficar indignado com o apelo da causa monárquica ao voto na Acção Nacional. “Já nessa altura, achava que não fazia sentido que um movimento dito monárquico apelasse ao voto num partido republicano”, diz. “Quem é monárquico não deve entrar no jogo da República. Não deve concorrer a eleições.”

Mas, como pode então a monarquia chegar ao poder?

Sobre o assunto, tem opinião formada. Acha que a monarquia precisa de ser divulgada, difundida e sentida por uma maioria de portugueses. “Do que conheci e vi, concluo que existem muitos deles que intimamente são monárquicos. Não vêem é a exequibilidade do projecto”, afirma.

Na sua óptica, a estratégia passa por criar lóbis, grupos de opinião monárquica dentro de cada um dos partidos existentes, que dariam formação monárquica a pessoas das mais diversas confissões políticas, da esquerda à direita. “Teríamos a médio prazo uma élite política fundamentalmente monárquica, independentemente dos seus membros serem comunistas ou democratas-cristãos”, conclui.

Para além disso, Portugal tem um trunfo único. Que é a diáspora, espalhada pelos quatros cantos do mundo. Não só a de emigrações recentes, mas sobretudo a de permanências resistentes com cinco séculos de existência. Teles da Gama aponta a Commonwelth anglo-saxónica como exemplo “de força conjunta de povos díspares que se entendem, pois une-os uma figura sempre presente.” Segundo ele, há uma responsabilidade histórica na figura do rei que transcende todo e qualquer poder político: a da aglutinação.

(Fonte: MGI-Revista Magazine)

Sem comentários:

Enviar um comentário