A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

terça-feira, 29 de maio de 2012

O SIGNIFICADO DO PROVÉRBIO «DE ESPANHA, NEM BOM VENTO, NEM BOM CASAMENTO»

Em Portugal, o mar é um amenizador do clima, mas, devido a Espanha ser continental e montanhosa, os ventos de leste, no Inverno, são frequentemente desagradáveis. Também durante o Verão, o vento proveniente do Norte de África, chamado suão, chega a Portugal depois de atravessar o Sul de Espanha. Por estas razões, os ventos ...de leste são mais secos e rigorosos que os ventos oceânicos.

Quanto à sequência em que se diz «nem bom casamento», trata-se de uma alusão histórica, devido a alguns casamentos mal sucedidos entre as coroas de Espanha e Portugal, os quais, para este país, se traduziram em comprometer a independência política. Por causa do desejo de mantermos a identidade cultural e procurarmos alguma segurança em assunto tão aventuroso, preferimos os casamentos com os vizinhos e as vizinhas, filhos e filhas de famílias conhecidas.


Esta é a explicação que leio na Google. Sem embargo, tenho uma visão um pouco diferente e que tem a ver com um acontecimento histórico.

O nosso rei D. João II, a quem a rainha Isabel a Católica chamava “El Hombre”, tudo fez para conseguir a legitimação do seu filho bastardo, D. Jorge, muito mais depois do trágico acidente que vitimou o Príncipe Herdeiro D. Afonso.

Negada essa legitimação por Roma, D. João II ainda tentou uma aliança fortalecedora que facilitasse a ascensão de D. Jorge ao Trono português.

Assim, enviou uma Embaixada a Madrid, aos Reis Católicos, no intuito de conseguir um casamento do seu filho D. Jorge com uma filha de Isabel e Fernando.

Ao ser confrontado com os monarcas o nosso Embaixador explanou as razões da mesma e as pretensões do seu monarca.

A rainha, altiva, respondeu ao enviado português: “O quê? Que ousadia é essa? Um filha Nossa casar com um bastardo do rei de Portugal? Quando muito, dar-lhe-ei uma bastarda de meu Marido para casar com esse vosso bastardo”!

O embaixador português, calma mas descaradamente, respondeu à poderosa e altiva rainha de Castela e Leão: “Vossa Majestade não entendeu, provavelmente. O que o meu Senhor e Soberano pretende é uma aliança com Leão e Castela, não com Aragão. Pelo que se Vossa Majestade tiver uma filha bastarda, Sua e não de Seu Marido, El-rei Nosso Senhor aceitará!”

Escusado será acrescentar que embora lavada a Honra portuguesa pelo corajoso, audacioso e algo louco representante português, a embaixada teve que dar corda ao sapatinho enquanto os ventos não mudavam de feição e acabava de pescoço e cabeça separados!

Não será deste episódio que surgiu o ditado de que “de Espanha nem bom vento, nem bom casamento”?

Apenas uma reflexão minha, que tem o valor que tem.

Ou seja, pouco ou nenhum. Tão somente uma Reflexão histórica pessoal!

Sem comentários:

Enviar um comentário