23º CONGRESSO DA CAUSA REAL

LEI DO PROTOCOLO DO ESTADO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

HÁ 150 ANOS D. LUÍS INAUGUROU O PALÁCIO DE CRISTAL


Com Dom Luís I, Portugal ganha a estabilidade política e social necessária para o progresso material.

Assim, há precisamente 150 anos, em 18 de Setembro de 1865, S.M.F. El-Rei Dom Luís I de Portugal inaugurava a 1.ª Expo realizada em Portugal, a Exposição Internacional do Porto, inaugurando simultaneamente o lendário Palácio de Crystal Portuense. Situado no campo da Torre da Marca, o Palácio – como é comummente conhecido – foi projectado pelo arquitecto britânico Thomas Dillen Jones, tendo por modelo o Crystal Palace de Londres que em 1854 tinha sido reinstalado em Sydenham Hill.

Como fora planeado para acolher a grande Exposição Internacional do Porto, o Palácio de Crystal Portuense era uma espécie de gloriosa e gigante vitrina, e a sua dimensão era de 150 metros de comprimento por 72 metros de largura estando dividido em três naves. No decorrer dos seus 86 anos, o Palácio recebeu a Exposição Agrícola de 1903 e a Exposição Colonial de 1934 para além de outras centenas de importantes exposições. Mas o Palácio era mais do que um escaparate tendo funcionado de igual modo como um relevante espaço cultural, podendo orgulhar-se de possuir, inclusive, um dos maiores órgãos de tubos do mundo, pelo que foi palco de inúmeros concertos e performances dos mais consagrados músicos enquanto existiu.

Dom Luís I de Portugal foi um Monarca ilustrado e o seu reinado lançou Portugal na senda do progresso e desenvolvimento material, social e cultural que haveria de continuar com a Sua Augusta descendência.

Já em tempos republicanos, o modelo cultural – a exemplo dos restantes – adulterou-se e o Palácio de Crystal Portuense foi demolido em 1951 com a justificação de que se devia construir sob os seus escombros um Pavilhão para albergar o Campeonato Mundial de Hóquei em Patins no Porto; e assim foi erguido no seu lugar uma nave – ovni – de betão armado, a que foi dado o nome de Pavilhão dos Desportos, e, ulteriormente, Pavilhão Rosa Mota. O mamarracho nunca conseguiu fazer vingar o novel nome, e todos continuam a referir-se carinhosamente ao local como O Palácio.

Miguel Villas-Boas – Plataforma de Cidadania Monárquica

Sem comentários:

Enviar um comentário