A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

E POR FALAR EM LEGITIMIDADE: "ELLE SE FEZ VOLUNTARIAMENTE ESTRANGEIRO."


" (... ) Morrêo o Senhor D. João VI: seu filho primogenito lhe deve suceder, pelos direitos da primogenitura. Esta he a ordem natural e legal. Mas onde está este filho primogenito? A Lei constitutiva da Monarchia determina que seja um Principe deste Reino; elle se fez voluntariamente estrangeiro. A Lei determina que o Rei, que houver de succeder no Throno permaneça neste Reino; mas elle se separou do Reino, e se fez independente, e protestou nada mais querer da herança, por elle voluntaria e solemnemente abandonada.
 
Está vago o Throno, de facto e de direito.
 
Existe um segundo-genito, que se não desnaturalisou, e no Reino ha permanencia, logo elle he o Rei legitimo, perdidos que são os direitos de D. Pedro. ( ... )
 
Na segunda parte deste doutissimo Escripto, se descobre, não pela integra, mas em grande parte, a fatal carta em que o Senhor D. Pedro offende seu Pai, declara-lhe guerra, e protesta que nada quer, nem quererá jamais de Portugal..."

« Prefação » de José Agostinho de Macedo.

Publicado por por Cristina Ribeiro, em Estado Sentido

Sem comentários:

Enviar um comentário