28.º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DO PORTO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

ERA UMA VEZ, NUMA QUALQUER RÉ PÚBLICA



«Que sendo uma República governo de muitos e já tão difícil encontrar Homem Bom para Rei, mais difícil seria conseguir-se juntar os tantos honrados para uma República…», tinha razão Correia dos Remolares.

Os republicanos cedo abandonaram a defesa das razões activas com que justificaram a implementação dos novos regimes. Não existem verdadeiramente ideologias, mas caça às benesses, não passando a política de uma simples conciliação de sinais contrários, onde emerge, como consequência nefasta e motor, a corrupção.

Os partidos republicanos com o seu clubismo e caciquismo mergulharam as instituições dos Estados numa agonia profunda e a todo custo, enclausurados numa redoma de privilégios, tentam manter o status quo e mascarar a má qualidade do produto que “vendem” em tempos de eleições. Manifestamente responsáveis pela situação de crise dos Países, nunca estiveram à altura das enormes responsabilidades que assumiram sem qualquer preparação.

Na realidade os políticos vendem quando dão, pois é mero fingimento o seu acto de distribuir. E assim compram o voto por uns meros cêntimos de promessa, negociando a sua gloriola com a habitual desgraça de quem lhes oblata o papel dobrado na urna de pau. E porque, normalmente, ao comum lhes basta o que baste, assim se vai construindo aquela coisa tão grega quanto distante que depois se tarda em ter e que se caucionou chamar de ‘democracia’. Servos do oculto impulso do engano, lá vão, carneirissimamente, escolher aquele que em outros tempos seria o servo, mas que agora se enfatua caudilho. O político republicano que falha sem esforço, de atributos mal-contornados, formado em ciência do logro, parece sem ser – suprema conquista do ilusionista! Gastam o dinheiro dos outros e deixam-nos a passar fome, mas a responsabilidade sempre some.

Escreveu Fernando Pessoa em 1935:

«A República pragmática
Que hoje temos já não é
A meretriz democrática.
Como deixou de ser pública
Agora é somente RÉ.»


Qual a solução: a MONARQUIA! O Rei é o compasso moral e ético e a consciência da Nação, como uma bússola orienta o caminho e como um cinzel grava a virtude!

A Monarquia não pode ser apenas uma memória querida conservada em formol, não podemos continuar prisioneiros de um mundo acabado, atolados na miséria, sem poder realizar outro fim.

A Monarquia será uma terapia de choque democrático, pois um Rei tem um imperativo ético claro: a defesa da Nação, sem olhar a interesses e caciquismos. É preciso o sentido de Missão que só um Rei possui! No Rei, a sociedade civil terá um farol e um Defensorobtendo o Povo dessa forma um Paladino para poder afirmar os seus direitos. Um Rei que será “um Homem de Princípios” sereno mas temerário, inclinado para o respeito da Lei, probo e intelectualmente sincero, que cultive a afeição livre pelo Seu Povo, que por ser Rei lhe advém pela ordem e direito naturais e que têm como resultado imediato a admiração e a confiança do último para com o primeiro! Esse instrumento de conhecimento do Seu Povo não é de somenos importância, pois provoca a confiança recíproca!

Um Rei plantará a Árvore da Ética, pois teremos políticos mais sinceros, subsequentemente, um País mais justo! A Sua obra final será uma verdadeira méritocracia em Monarquia.

Mas essa é uma Alta Missão, não se pense que não será trabalho árduo!

Viv’ó Rei! Viv’á Monarquia! Aguardámos o seu Regresso depois do imoral intervalo republicano!


Autor: Miguel Villas-Boas - Plataforma de Cidadania Monárquica
 

Sem comentários:

Enviar um comentário