25º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DE VISEU

25º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DE VISEU

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sábado, 27 de janeiro de 2018

CORPO DE FUZILEIROS DE PORTUGAL E CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS DO BRASIL

Foto de Nova Portugalidade.

O Corpo de Fuzileiros de Portugal e o Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil, filhos da mesma mãe portuguesa

Confundindo-se a sua História com a dos seus irmãos portugueses, o Corpo de Fuzileiros, o Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil é culminação de larga árvore genealógica e receptor do legado de muitas gerações de homens com experiência de combate no mar. Diz-se muitas vezes, sem motivo claro, que o Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil foi fundado em 1808, mas esse foi apenas o ano em que aquela formação militar, na altura a Brigada Real da Marinha Portuguesa chegou às Américas. Aquela força, naturalmente, já existia e não era mais que a mais recente reorganização da infantaria naval portuguesa. Esta, ora, nem data de 1808, que foi meramente o ano da sua transferência para as Américas, nem de 1797, quando Maria I mandou criar a Brigada Real da Marinha. A Brigada era, afinal, não mais que os três regimentos da Armada - os 1º e 2º de Infantaria, mais o Regimento de Artilharia da Armada - na forma que Maria decidiu dar-lhes.

As formações em si existiam, naturalmente, já há muito. Os fuzileiros portugueses - e, por conseguinte, os brasileiros - têm existência ininterrupta desde 1618, quando se fez o Terço da Armada da Coroa de Portugal. O Terço - "terço" foi o nome tradicional dos regimentos portugueses até ao século XVIII, quando por influência europeia se adoptou a actual designação - tinha por objectivo o guarnecimento da artilharia e fuzilaria dos vasos da Armada, assim como a participação em operações anfíbias que viessem a ser necessárias. Na verdade, estas tropas têm entre nós História mais antiga ainda, pois datam de 1585 - fala-se em 1618 por ser desse ano a formação de um terço concretamente devotado a estes objectivos. Seja como for - 1585 ou 1618 - o que resulta claro é que a infantaria naval portuguesa foi, talvez, a segunda do mundo a ser criada - mais antiga, só a espanhola, que data de 1537. Outros corpos de fuzileiros internacionais são todos eles mais recentes, como os Royal Marines britânicos (1664), os Korps Mariniers holandeses (1665), os Marines norte-americanos (1775), os Troupes de Marine da França (1622) ou a Infantaria Naval russa (1705).

Transferida com a corte e a Rainha para o Brasil em 1808, a Brigada Real de Marinha, herdeira directa do Terço da Armada, foi instalada no mesmo ano na Fortaleza de São José da Ilha das Cobras pelo Secretário da Guerra, o Conde da Anadia. Os fuzileiros brasileiros de lá mais não saíram, e a Ilha das Cobras, na Baía de Guanabara, mantém-se até aos nossos dias o seu quartel-general. Com a independência do Brasil, declarada em 1822 e reconhecida em 1825, o que da Brigada lá estava instalado transformou-se no Batalhão de Artilharia Naval da Marinha Imperial do Brasil, antecessor directo do actual do Corpo de Fuzileiros Navais. Os fuzileiros brasileiros seriam chamados a combater na Guerra dos Farrapos e na Guerra do Paraguai, assim como, nos nossos dias, em numerosas operações de paz da ONU. Em Portugal, deu-se processo similar. Em 1832, a Brigada passa a Regimento da Armada Real Portuguesa, e em 1837 em Batalhão Naval. Os fuzileiros de Portugal combateriam nas campanhas africanas do século XIX, na Primeira Guerra Mundial e na Guerra do Ultramar. Hoje, são uma das melhores forças à disposição das forças armadas portuguesas e participam frequentemente em operações de paz sancionadas pela ONU.

RPB

1 comentário:

  1. Magnífico uma historia tão bela e gloriosa como essa não deveria jamais ter sido interrompida por revoluções ou repúblicas. Eu sou brasileiro e sempre digo Vivas ao Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. Éramos um Império com uma historia heroica para ser orgulhar com os sacrifícios e ações conquistadas com o Corpo de Fuzileiros de Portugal e Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil. Se Deus quiser ainda voltaremos a ser um Império, vou até mais além os hermanos mexicanos também um dia restauraram o seu Império Católico. Os ibéricos deve ressurgir com força total para se tornarem os bastiões e guardiões protetores da civilização ocidental.

    ResponderEliminar