MENSAGEM DE S.A.R. O SENHOR DOM DUARTE DE BRAGANÇA AOS PORTUGUESES

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

quarta-feira, 17 de junho de 2015

'DEPOIS DE VÓS, NÓS'


'Depois de Vós, Nós'
 
Ser Rei é ser o Pai da Nação e por isso no Rei está a Pátria inteira, Rei de Todos e para Todos, sem as excepções que os sufrágios criam por defeito de sistema que procura eleger para presidente de todos o representante de alguns. Um Rei justo e recto, duro para a soberba, brando com a fragilidade, Alguém que preze a Gente portuguesa, que possua o Ideal profundo e o alto Sentimento pela História oito vezes secular de Portugal que deu mundos ao Mundo quando quis. O Povo simples e bom sempre soube que para seu Paladino só poderia contar com a solícita ajuda do Rei. Para o bem-estar comum a fórmula nunca foi outra se não o Rei: o Alto Critério, a Mão da Justiça, que sempre acolheu o Povo nas dobras do seu Manto evitando que sofresse nas mãos volúveis e cobiçosas dos políticos.

Miguel Villas-Boas - Plataforma de Cidadania Monárquica
 

1 comentário:

  1. Confesso que este texto despertou-me a atenção e colocou-me várias perguntas, as quais vou aqui expor: o que torna este Rei que é "de Todos e para Todos" apto para governar, isto é, qual o seu direito? O direito de berço? Está então a dizer que só porque nasceu filho de alguém tem o direito de governar? Meu caro você não pode falar pelo "Povo" pelo simples facto que, só de ler este texto, eu saber que não pertence ao "Povo". Alguém que distingue o seu semelhante por classes sociais não é do "Povo". O "Povo" apenas quer filhos saudáveis, liberdade e paz. Ninguém tem o direito de mandar em quem quer que seja só porque nasceu para isso! Meu amigo o que faltou à Monarquia é o que está em falta à grande parte dos políticos é a humildade. Humildade para saber que não se distingue as por classes mas distinguem-se sim por pessoas que fazem o País avançar, o Mundo avançar, que fazem a diferença. Não por pessoas que vivem pensando o quanto era bom mandar, ou o quanto se sentem poderosos ao fazerem-no. O que a História nos têm ensinado é que nenhum Ditador dura para sempre, pois tanto do "povo", como a "nobreza, e suas reais excelências todos encontram a hora da sua morte. Pessoas morrem meu caro, mas os ideais, esses resistem ao tempo.

    ResponderEliminar