COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

LEI DO PROTOCOLO DO ESTADO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sexta-feira, 4 de julho de 2014

SAUDAÇÃO À RAINHA SANTA




Manuel Faria | Saudação à Rainha Santa | Grupo Vocal Ançã-ble
Saudação à Rainha Santa, motete para coro a cappella a 3 v.m. Manuel Faria (1916-1983)

Edição impressa pela Revista da Academia Martiniana
Edição discográfica pelo Instituto Português de Santo António em Roma http://www.ipsar.org
Interpretação do Grupo Vocal Ançã-ble (Coimbra)


Belinha Miranda

Rainha Santa Isabel de Portugal
A Rainha Santa Isabel não foi apenas uma rainha. Foi sim uma das rainhas mais acarinhadas por todo o povo português e ainda hoje perdura nas nossas memórias pelos seus exemplos de bondade e candura que demonstrou.

Isabel de Aragão começou a sua ligação com Portugal com uma tenra idade de 12 anos, altura na qual se casou com o jovem rei de Portugal D. Dinis, acabado de completar 19 anos.

Apesar de ter pretendentes de outras famílias reais europeias, a jovem optou por aquele que já estava no trono mudando-se desde logo para Portugal.

A Rainha Santa Isabel era conhecida pela tranquilidade e paz que procurava transmitir a todos aqueles que se encontravam prontos para a guerra.

Colocou-se no meio de vários conflitos, os quais conseguiu solucionar sem que existisse uma única gota de sangue derramada.

Um destes conflitos é o de D. Dinis, o rei, com o seu filho, o infante D. Afonso, pois este julgava que o rei estava a dar muita atenção a um filho bastardo.

Todavia, a Rainha Isabel interpôs-se no meio do conflito como em muitos outros casos, solucionando o problema do modo mais tranquilo.

Outra faceta que se conhece da Rainha Santa Isabel era, como a sua alcunha indica, a bondade e caridade para com aqueles que mais necessitavam.

Muitas vezes até contra a vontade do rei, a rainha deslocava-se para dar alimento aos mais pobres, preocupando-se com o seu estado.

Reza uma lenda até que num desses dias em que ia dar comida aos pobres, levando pão no seu regaço, na sua saia, encontrou o rei, escondendo de imediato o pão dentro da saia.

O rei perguntou o que é que a sua esposa levava na saia, ao que ela respondeu “São rosas, senhor”, porém este ficou desconfiado pela altura do ano em que as rosas estavam a ser colhidas.

Foi então que a Rainha Santa Isabel abriu a sua saia e no lugar do pão apareciam agora rosas, para seu espanto e alívio.

O “milagre das rosas” mostra o exemplo de caridade desta rainha, mais tarde santificada e canonizada por este seu feito pelo Vaticano.

Após a morte de D. Dinis em 1325, a Rainha Santa Isabel alojou-se num convento, mantendo contudo o seu apoio a acções de caridade para com os mais necessitados. Onze anos volvidos, viria a falecer nesse mesmo convento, sendo hoje lembrada como um exemplo de ternura e candura de um ser humano notável.

Fonte: História de Portugal



Celebramos hoje o 678º aniversário da morte de Santa Isabel de Aragão, Rainha de Portugal. Exerceu a sua magistratura com surpreendente excelência, combinando uma eficaz diplomacia com um profundo amor aos pobres, tendo garantido, nesse sentido, e por várias vezes, a paz a Portugal.

“levava uma vez a Rainha santa moedas no regaço para dar aos pobres(...) Encontrando-a el-Rei lhe perguntou o que levava,(...) ela disse, levo aqui rosas. E rosas viu el-Rei não sendo tempo delas.”  
— Crónica dos Frades Menores, Frei Marcos de Lisboa, 1562

Que a Rainha Santa Isabel nos guarde e a Portugal,

Mário Neves

Causa Real – Real Associação da Beira Litoral




Hoje, na missa da solenidade de Santa Isabel, Rainha de Portugal, às 11 horas, o Senhor Bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes, benzeu o novo altar da igreja da Rainha Santa Isabel.


1 comentário:

  1. Foi com muita alegria que pude visualizar o novo altar do Convento de Santa Clara em Coimbra onde está a imagem e a urna de prata e cristal da nossa querida Rainha Santa Isabel. Sendo eu natural de Coimbra e devoto da nossa padroeira sinto esse facto como muita felicidade.

    ResponderEliminar