COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

COMUNICADO DA CASA REAL PORTUGUESA

LEI DO PROTOCOLO DO ESTADO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

quarta-feira, 4 de junho de 2014

REPÓRTER ESTRÁBICO!



Fico perplexo com as barbaridades e inverdades que estes “so called” jornalistas do panorama da media mainstream nacional têm verberado nestes dois últimos dias sobre el Rey Juan Carlos I, sobre a Monarquia Espanhola e a Instituição em geral.

Com um verborreico fácil de quem tem um conhecimento de ameba ignoram a miríade de aspectos positivos do Reinado do democrata Juan Carlos, e concentram-se na maledicência e na latoaria que sai da boca de uns desgraçados que se agarram, como um mono a uma banana, a um trapo horrífico, até na escolha cromática, no centro de Madrid.

Um desses energúmenos perdigotava que quer um referendo para poder escolher entre “MONARQUIA ou república”, “como os portugueses”. Como?!!!!!, digo eu.

A azémola vermelha mostra toda a sua abissal ignorância, primeiro porque foi dado a escolher em 1978 aos espanhóis e estes optaram pela Monarquia, já por cá no nosso País nunca foi dado aos Portugueses a liberdade de escolher sobre que sistema de governo pretendem – república ou Monarquia. A república portuguesa, não foi plebiscitada, foi implantada por meio de um processo revolucionário desencadeado por um bando de positivistas, mavarenkos e carbonários - que mesmo apresentando-se a eleições desde 1878 nunca conseguiu resultado melhor que 9%.

E hoje, em aparente Democracia, a Constituição da república portuguesa, ao consagrar na alínea b) do Artigo 288.º que “as leis de revisão constitucional terão de respeitar a forma republicana de governo”, impede com esta Cláusula Pétrea um referendo nacional sobre esta matéria, mas apesar do limite material nada impede que formalmente haja uma revisão constitucional, tudo depende do bel-prazer de 2/3 dos deputados eleitos e em efectividade de funções.

E o que aconteceu é que à inverdade do anafado republicano espanhol – fome nunca passou -o jornalista português, impassível, respondeu com o silêncio de uma múmia paralítica.

De facto como escreveu Joseph Pulitzer, “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma.”

Malditos repórteres de pasquim, voltem p’rá escola, voltem p’rá sopa primordial das criaturas unicelulares!

VIV'Á MONARQUIA! VIV'Ó REI!


1 comentário:

  1. Já reparou q as entrvistas q passam nos nossos noticiários têm sido todas feitas a pseudo repúblicanos ,não há em Espanha nem um apoiante monárquico?E em Portugal será q após tantos anos do Regicidio ainda têm medo de fazer um referendo

    ResponderEliminar