28.º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DO PORTO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sábado, 17 de maio de 2014

12 ANOS DEPOIS DO ROUBO DAS JÓIAS DA COROA PORTUGUESA

  castão de bengala em ouro e brilhantes


 Esmeraldas, Brilhantes, Ouro, Prata Propriedade inicial de D. Mariana, irmã de D. Maria Pia Alfinete Origem: Portugal, séc. XVIII


 
 Diamante de 135 quilates (o da direita) em bruto, um dos maiores do mundo

Passaram uma dúzia de anos desde que as peças mais valiosas da Coroa Portuguesa foram roubadas de um museu holandês, em Haia, a quem tinham sido emprestadas para uma exposição. Os incompetentes dos holandeses - que tinham câmaras de vigilância não ligadas, guardas-seguranças a ressonar, janelas sem alarme e cofres sem segurança- até hoje não nos deram nenhuma explicação. Recebemos 6,5 milhões de euros por peças de valor insubstituível, sem que os holandeses do museu e da segurança encarregue de velar pelas jóias fossem responsabilizados pela sua incompetência grosseira e criminosa e sem que um único português fosse responsabilizado pela incúria e displicência com que [não] se acompanhou o empréstimo das peças. Uma súcia de incompetentes que governa o mundo, em tudo e mais alguma coisa. Daí o estado em que ele está...

publicado por beatriz j a, em edicoespqp

2 comentários:

  1. Como é possível que o empréstimo das jóias fosse tão baixo
    Pelo menos o roubo era menor

    ResponderEliminar
  2. Talvez seja conveninent emendar esta notícia, dado que, para um site ligada ao apoio do regime monárquico, inclui dois graves erros:

    (1) A segunda foto corresponde ao Laço de Esmeraldas, que continua a fazer parte das jóias da Coroa Portuguese e não foi roubado juntamente com as outras peças em exposição em Haia em 2002.

    (2) Embora possa ser mantida a fotografia apenas como exemplo de uma peça de arte que continua a fazer parte das jóias da Coroa, é conveniente alterar a legenda, dado que este Laço de Esmeraldas terá sido usado pela Infanta D. Mariana, irmã da Rainha D. Maria I (e não de D.Maria Pia como o artigo refere).

    ResponderEliminar