MENSAGEM DE S.A.R. O SENHOR DOM DUARTE DE BRAGANÇA AOS PORTUGUESES

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sábado, 30 de maio de 2015

O REI COMO ÁRBITRO

2000px-Coat_of_arms_of_the_Kingdom_of_Italy_(1890).svgCosa rappresenta, nel secolo ventesimo primo, la figura del Re?
È una guida, un padre nobile, una figura di riferimento e, prima di ogni altra cosa, una figura neutrale.
Per quanto benvoluto nessun presidente repubblicano può sostenere una posizione simile, sarà sempre legato, non fosse altro che per le sue origini politiche, ad un partito di riferimento. Questo provoca, come è stato visto e provato in innumerevoli occasioni, rivalità ed un diffuso senso di scoramento, specialmente tra i ranghi della fazione opposta alla nomina.
Non solo, l’idea che nemmeno il presidente sia una figura neutrale aiuta coloro i quali, cavalcando lo scontento popolare, sostengono la non credibilità delle istituzioni.
Torniamo quindi alla domanda iniziale alla quale, pur umilmente, voglio formulare una risposta:
Il Re, vista la situazione attuale, rappresenta l’unica vera alternativa alla barbarie del populismo.

Fonte: Andrea Vincenzo Cerati

http://www.vivailre.it/il-re-come-arbitro/



O que representa, no século XXI, a figura do Rei?
É um guia, um pai nobre, uma figura de referência e, em primeiro lugar, uma figura neutra.
Nenhum presidente da república pode ter uma posição semelhante, pois estará sempre ligada, mesmo que apenas pelas suas origens políticas, a uma referência partidária. Isso faz com que, como já foi visto e experimentado em inúmeras ocasiões, exista rivalidade e um sentimento generalizado de desespero, especialmente entre as fileiras da facção oposta à nomeação.
Mas não só, a ideia de que mesmo o presidente é uma figura neutra ajuda a quem, baseado em descontentamento popular, sustenta a não credibilidade das instituições.
Em seguida, voltando à pergunta inicial que, embora humildemente, eu quero formular uma resposta:
O Rei, dada a situação actual, é a única alternativa real à barbárie do populismo.

1 comentário:

  1. Só é cego, quem não quer ver, mas a ignorância, ainda é demasiada para que acorde para a realidade, mau grado o investimento dos abutres que rondam os que estão à míngua, para saciar a "fome" e "reinar" no trono de Lúcifer!

    Edite Cecília Rodrigues

    ResponderEliminar