25º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DE VISEU

25º ANIVERSÁRIO DA REAL ASSOCIAÇÃO DE VISEU

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO

A CAUSA REAL NO DISTRITO DE AVEIRO
Autor: Nuno A. G. Bandeira

Tradutor

sábado, 23 de dezembro de 2017

AFONSO DE ALBUQUERQUE: COMO UM REI

Foto de Nova Portugalidade.

Em 1514, um ano após a tomada de Ormuz pelos portugueses, Afonso de Albuquerque enviou à Pérsia Miguel Ferreira como embaixador. Visava a missão iniciar negociações com vista ao estabelecimento de uma aliança entre a monarquia portuguesa e a Pérsia xiita contra o Sultão mameluco do Cairo e o Sultão otomano.

Ante o monarca persa, Ismail I, Miguel Ferreira cumpri
u, como Albuquerque lhe ordenara, todas as regras do cerimonial, pondo as mãos sobre a face, ajoelhando-se e dobrando o corpo até que a fronte tocasse o chão. Depois, levado pela mão por um dos ministros do Xá, postou-se em frente de Ismail e leu a carta de Albuquerque que ia sendo traduzida por um tradutor. Exigiam as formalidades protocolares que nestas cerimónias os embaixadores não trocassem directamente quaisquer palavras com o soberano, pelo que tal oportunidade só ocorreria em ambiente mais distendido, em que a informalidade era tolerada. Com efeito, depois da audiência, Miguel Ferreira partiu com o Xá para caçadas, no decurso das quais Ismail aproveitou para inquirir o enviado português sobre a Europa, mas também aflorar questões relativas à guerra com o Turco, a tomada de Meca e a política do cartaz que então os portugueses implantavam no Índico.

Ao regressar da Pérsia, em 1515, Miguel Ferreira dirigiu-se a Ormuz na companhia de um embaixador persa. Afonso de Albuquerque aguardava-os e, para mostrar o poder de Portugal, preparou uma grande mise-en-scène ao estilo oriental: estrado guarnecido, cadeirões forrados a ouro, cortejo de cavaleiros com montadas ajaezadas, animais exóticos, músicos, seiscentos homens de armas – arcabuzeiros, besteiros e lanceiros – e frota ao largo, embandeirada e salvando. A impressão deixada entre os persas foi tão profunda que o embaixador de Ismail enviou ao seu senhor uma carta na qual afirmava o poderio dos portugueses e considerava Albuquerque "tal qual um Rei".

MCB


Para saber mais:
1. João Teles e Cunha, Olha da grande Pérsia o império nobre: relações entre Portugal e a Pérsia na Idade Moderna (1507-1750). Lisboa: Embaixada da República Islâmica do Irão: ANTT: FCG, 2014.
2. Cartas de Afonso de Albuquerque seguidas de documentos que as elucidam, v. II. Lisboa: Imprensa Nacional, 1895.

Sem comentários:

Enviar um comentário